A 10 dias da abertura da Copa, Cuiabá corre contra o relógio

Segunda-feira, 2 de junho de 2014. Na data que marca o início da contagem regressiva de 10 dias para a abertura do Mundial 2014, o quadro das obras da Copa em Cuiabá reafirma um panorama dramático à sombra do cenário de caos da mobilidade urbana em Cuiabá e Várzea Grande. Das 56 obras prometidas pelo Governo do Estado nem a metade deve ser entregue até o evento. E ainda há muito por fazer.

No decorrer desta semana, o governador Silval Barbosa deve se pronunciar sobre a entrega de mais obras de grande porte que já estão na reta final, onde se inclui a trincheira Santa Isabel (Verdão). As demais obras estão sob a incerteza e nem a Secretaria Extraordinária da Copa (Secopa) se arrisca a fazer prognósticos.

Na semana que antecede a abertura dos jogos, o que deve acontecer é uma correria contra o tempo por parte do Governo do Estado e das empresas construtoras das obras, para que o máximo possível fique pronto a tempo. O trabalho de ‘maquiagem’ das avenidas principais teve início na semana passada, quando os tapumes foram retirados da avenida Rubens de Mendonça (CPA) e os canteiros começaram a receber a preparação para apresentar um visual melhor para os turistas.

Comprometido a entregar pelo menos um trecho do VLT funcionando para a Copa do Mundo – Aeroporto-Porto -, o consórcio responsável pela implantação do novo modal do transporte já deixou claro que essa missão é impossível. O VLT não vai rodar durante a Copa. As equipes de trabalho se concentram em adiantar ao máximo – em dois turnos diários – os trabalhos que ocorrem nas imediações do aeroporto Marechal Rondon, antes da ‘pausa’ para os jogos do Mundial. O consórcio deve, nos próximos dias, seguir o planejamento de liberar os acessos para os turistas. Somente após a Copa do Mundo os trabalhos serão retomados.

COT’s – Com exceção das obras de mobilidade, mais duas construções, pactuadas em contrato, não ficarão prontas para o Mundial. Tratam-se dos Centro Oficiais de Treinamento (COT), da Barra do Pari, em Várzea Grande e da UFMT, em Cuiabá, que deveriam estar concluídos para atender as seleções que vierem para jogar em Cuiabá. O consórcio responsável entregará as obras inacabadas. Os campos deverão estar prontos para treinamento, mas a estrutura do local com instalações provisórias. A não conclusão dos COT’s para a Copa contraria a Matriz de Responsabilidade do Governo do Estado pactuada com a Fifa.

Confira a situação das principais obras da Copa em Cuiabá a 10 dias do evento

Aeroporto Marechal Rondon

Considerada uma das principais obras da Copa do Mundo na capital, a reforma e ampliação do Aeroporto Marechal Rondon é uma das que mais preocupam o Governo do Estado e se tornou uma incógnita se realmente ficará pronta a tempo. A inauguração simbólica da primeira etapa da obra deveria ter ocorrido no final do mês de maio. E não ocorreu. O consórcio responsável pela reforma corre contra o relógio para que tudo esteja pronto até o final desta semana. Na última sexta-feira, houveram avanços com a instalação dos primeiros fingers. De forma simultânea prossegue a execução do acabamento na área interna do novo terminal de passageiros com a instalação de janelas de alumínio, venezianas, louças nos sanitários, vidraças, o assentamento de pisos de granito, de pastilhas de cerâmica nos reservatórios de água, do pavimento intertravado na área do estacionamento e o calçamento em frente ao terminal. Os equipamentos para a rede de energia já estão no local.

Trincheira do Zero Km

‘Empacada’ por quase um ano, só nos últimos meses essa obra deslanchou, mas não é provável que fique pronta a tempo do Mundial. Atualmente Consórcio VLT trabalha na conclusão da drenagem na trincheira, cujo método adotado foi o “tunnel liner”, não destrutivo. Paralelo a isso, o Consórcio dá continuidade ao fechamento das paredes da trincheira. A próxima etapa é a pavimentação da trincheira, bem como iluminação e sinalização, que será concluída até a Copa do Mundo. Na sequência será executada a via permanente.

Viaduto da MT-040

Esta é outra obra que foi entregue parcialmente e incerta de sua inauguração antes da Copa. Atualmente os trabalhos estão concentrados na parte inferior do viaduto, com a continuidade das obras de drenagem. Nesta primeira etapa, a atividade está sendo realizada nas extremidades do viaduto, em seguida será direcionada para a área onde será construída a rotatória. O viaduto, localizado no entrocamento da avenida Fernando Corrêa com a Rodovia Palmiro Paes de Barros (MT-040), terá aproximadamente 445 metros e será constituído de duas faixas de circulação por sentido, para o tráfego geral e a via central permanente para a circulação do VLT. Sob o viaduto será construída uma rotatória, além de faixas de circulação.

Viaduto da UFMT

O Governo do Estado quer esta obra entregue em sua totalidade antes do Mundial. Os trabalhos estão concentrados na parte inferior, onde está sendo implantada uma rotatória que ligará as avenidas Tancredo Neves e a nova Parque do Barbado. As etapas de fundação dos pontilhões, que incluem as estacas raiz e vigas de coroamento foram concluídas tanto no pontilhão à montante quanto à jusante. Nos próximos dias terá início os trabalhos de cimbramento, para a execução da superestrutura, que inclui armação de ferro, formas e concretagem da laje. Os trabalhos serão executados nos dois pontilhões simultaneamente, em turnos diurno e noturno. A via Será constituída de duas faixas de circulação por sentido para o tráfego geral e a via permanente do VLT. Além da rotatória, sob o viaduto também serão construídas as pistas marginais.

Viaduto da Beira Rio

Quase ‘invisível’, a obra do viaduto do Beira Rio, uma das últimas a ter início, segue em marcha lenta. Oitenta estacas já foram executadas, representando 60,6% do total previsto para essa obra de arte especial. A infraestrutura, que inclui estacas, tubulões e blocos, atinge 50% de conclusão e a obra total 10,4%. A execução dos pilares teve início. O viaduto será construído na área hoje ocupada pelas duas pontes, passando sobre a rotatória hoje existente, num total de 340 metros de comprimento. Será um viaduto rodoferroviário e servirá para passagem do VLT e demais veículos. Sob o viaduto também será construída uma nova rotatória, para acesso à avenida Beira Rio.

Ponte sobre o Rio Cuiabá

Obra de pequeno porto do VLT, a ponte sobre o Rio Cuiabá não deve ficar pronta para a Copa, mas a passagem deve ser liberada nos dois lados. O lançamento das últimas 11 vigas sobre a Ponte Júlio Muller ocorreu no último fim de semana (31.05) com o içamento das últimas seis vigas de concreto pré-moldado.A ponte será construída à jusante do rio (do lado direito da ponte existente, no sentido Várzea Grande Cuiabá). Terá cerca de 350 metros e será usada para o tráfego de veículos. A central servirá para passagem do VLT e a utilizada para o trânsito no sentido Cuiabá-Várzea Grande continuará com o mesmo sentido. Toda a estrutura hoje existente receberá reforço para comportar a via permanente e o trânsito futuro.

Revitalização do Córrego Mané Pinto

Esta é outra obra da Matriz de Responsabilidade por fazer parte do entorno da Arena Pantanal. A intervenção está atrasada e não ficará pronta para a Copa. Ao longo do córrego Mané Pinto prosseguem frentes de trabalho de pavimentação das rotatórias, calçamento, revitalização das paredes do canal e a implantação do coletor tronco. A prioridade agora é melhorar a mobilidade urbana e facilitar os acessos à Arena Pantanal. Assim, os trabalhos devem ser interrompidos.

Duplicação da avenida Parque do Barbado

Os trabalhos no canteiro de obras da avenida Parque do Barbado se concentram em atividades de terraplenagem. Projetada para dar mais fluidez ao tráfego da região, a obra, localizada entre a avenida Fernando Corrêa da Costa e a Archimedes Pereira Lima, também exercerá a função de integrar motoristas, pedestres e ciclistas, pois o projeto prevê a construção de ciclovias ao longo de toda sua extensão, aproximadamente 1,7 km.

Duplicação da Estrada da Guarita

Também prometida para a Copa do Mundo, esta via segue com as obras atrasadas e há problemas com desapropriações. Para o TCE, esta é a obra mais preocupante do Mundial por ser importante via de ligação dos turistas que sairão do aeroporto para a Arena Pantanal. De acordo com a Secopa, a empresa contratada trabalha com a execução de paisagismo (limpeza dos canteiros e plantio de grama), meio-fio, sarjetas, calçadas e pavimentação. A duplicação da Estrada da Guarita terá 8,4 km de extensão, ligando a avenida Ulisses Pompeu de Campos e a localidade da Passagem da Conceição, nos bairros Guarita I e II, em Várzea Grande. A obra é estratégica também para facilitar o acesso ao Centro Oficial de Treinamento (COT) da Barra do Pari.

Trincheira Santa Rosa

Até algumas semanas, a entrega desta obra a tempo era uma incógnita. Atrasada por meses devido a problemas com adutoras e impasse com a CAB, a intervenção só agora deslanchou com os trabalhos. Algumas marginais já estão liberadas, mas a pista inferior principal não deve ficar pronta antes de agosto. Os trabalhos continuam no canteiro de obras com serviços na via lateral em frente ao supermercado Big-Lar (atividade executada pela CAB) para, na sequência, a empresa contratada executar a pavimentação da via. Serviços na parte interna da trincheira continuam.

Trincheira Santa Isabel (Verdão)

A obra da trincheira do Verdão está prometida para inauguração antes da Copa do Mundo. Os trabalhos já estão na reta final e a entrega pode acontecer até o início da próxima semana. Na trincheira, o tratamento das paredes da trincheira (fase de acabamento) continua. A pista da nova estrutura receberá ainda uma camada de polímero, composto químico indicado para regiões de alta temperatura e elevado fluxo de veículos. O local já conta com a iluminação em LED.

Trincheira Jurumirim

Maior trincheira da avenida Miguel Sutil e uma das mais impressionantes obras da Copa do Mundo em Cuiabá, esta intervenção não ficará pronta para a Copa. No local, prosseguem a finalização da terraplenagem. Em paralelo continua a execução das vias marginais da trincheira. Com 960 metros de extensão, a trincheira abrangerá o trecho um pouco antes da Avenida dos Trabalhadores (Av. Dante de Oliveira) até depois do cruzamento da Avenida Jurumirim (Av. Gonçalo Antunes de Barros), próximo ao viaduto da Avenida do CPA.

Viaduto Dom Orlando Chaves

Esta obra ficou ‘empacada’ por conta de um lago. Os trabalhos se concentraram por meses na drenagem. As vias laterais foram imprimadas, assim como o encaixe do viaduto à pista existente. A próxima etapa será a aplicação da capa asfáltica e a sinalização vertical e horizontal. Com 153 metros de extensão a obra do viaduto da Dom Orlando Chaves/FEB inclui ainda a recuperação da via no entroncamento da Rodovia Mário Andreazza (MT-444) até a entrada do bairro Cristo Rei, totalizando 2,9 Km de extensão. Esta obra está orçada em R$ 16,7 milhões.

Complexo Viário do Tijucal

Com o viaduto liberado para o trânsito, a obra do Complexo Viário do Tijucal segue com os trabalhos de construção da trincheira. O Complexo Viário do Tijucal é composto por um grande viaduto e uma moderna trincheira. A trincheira terá 740 metros de extensão e entra na BR 364 até a avenida Archimedes Pereira Lima. O viaduto, de 520 metros de extensão, fará a ligação da BR-364, passando por cima do trevo de acesso do bairro Tijucal até a avenida Fernando Corrêa da Costa.

COT Barra do Pari (VG)

Com sério atraso e sem nenhuma perspectiva de ficar pronto até a Copa, o COT Barra do Pari, em Várzea Grande, vem recebendo os serviços de instalações elétrica e hidráulica, colocação do piso, pintura e atividades ligadas ao acabamento do prédio continuam. Na parte externa começam os preparativos para a instalação das estruturas metálicas da cobertura sobre o prédio e a estruturação no entorno da obra. Atividades de paisagismo também estão em execução com o plantio de grama e outras espécies adaptadas às condições ambientais da região. O período de grow in prossegue no gramado do COT da Barra do Pari. O primeiro corte da grama foi realizado e as etapas de irrigação, adubação e controle fitossanitário prosseguem.

COT UFMT (Cuiabá)

A exemplo do COT do Pari, o da UFMT deve ficar pronto parcialmente para receber as seleções. Alguns setores já começaram a passar pelos retoques finais. Na parte interna da estrutura o acabamento dos vestiários está sendo finalizado para que as louças dos banheiros sejam instaladas. A rampa de acesso para a entrada dos ônibus ao COT UFMT foi concretada e as quatro torres de iluminação concluídas. Seguem os trabalhos de paisagismo no centro de treinamento. Enquanto isso, o gramado do COT está na fase de grow in, período composto pelas etapas de irrigação, adubação, corte e controle fitossanitário. A grama já passou pela primeira poda.OLHAR DIRETO

Responder

comment-avatar

*

*