‘A vida vale dois salários’, diz irmã sobre fiança por morte no trânsito

Motorista que provocou acidente pagou fiança de R$ 1,5 mil e foi solto.
Motociclista foi atingida por carro e suspeitos foram agredidos por moradores.

Janaína Almeida Rodrigues morreu no acidente. (Foto: Reprodução/TVCA)

A família da frentista Janaína Almeida Rodrigues, de 26 anos, que morreu após ser atingida por um carro neste domingo (21), em Cuiabá, questiona a postura e atitude dos dois jovens envolvidos no acidente. Janaína estava indo para o trabalho quando a moto bateu de frente com o veículo de passeio, na Avenida General Mello.

“Causa dor e indignação saber que a vida da minha irmã custa dois salários mínimos [valor da fiança paga pelo motorista]. Como uma pessoa que não segue as leis de trânsito, que está alcoolizada e em alta velocidade, não tem a intenção de matar? Quando você assume o volante alcoolizado você tem sim a intenção de matar”, disse a irmã de Janaína, Cristiane Almeida.

Segundo a Polícia Civil, o universitário Kennedy Max Velho, 33 anos, dirigia o veículo. O amigo dele, o gerente de empresa Alysson Guedes Zoli Delazari, 26, também estava no carro. Moradores chegaram a agredir os dois jovens após o acidente. Alysson levou um soco no rosto enquanto era entrevistado por uma equipe da TV Centro América.

Testemunhas relataram que o carro estava em alta velocidade e que os dois estavam embriagados. Além disso, as pessoas que viram o acidente disseram que o motorista e o passageiro trocaram de lugar logo após o acidente.

Rapaz que se passou por motorista após acidente levou um soco durante entrevista em Cuiabá. (Foto: Reprodução/TVCA)Rapaz que se passou por motorista após acidente levou um soco durante entrevista em Cuiabá. (Foto: Reprodução/TVCA)

“Minha irmã não foi vítima do trânsito, mas sim de um assassino. Ela deixou um filho de três anos, que não sabemos se daqui a 10 anos ele irá se lembrar da mãe, porque é muito pequeno. Nós não temos como saber o futuro, mas podemos saber da dor e da destruição que ele [motorista] causou na minha família”, declarou Cristiane.

O G1 entrou em contato com Alysson e Kennedy, no entanto, as ligações foram atendidas por um primo de Alysson. “Eu estava na mesma festa que eles, mas fui para casa mais cedo. O Kennedy estava alcoolizado sim, mas não estamos correndo da responsabilidade. Eles [Kennedy e Alysson] estão transtornados”, declarou o homem que pediu para não ter o nome divulgado.

O primo afirma que quem estava dirigindo era Alysson e não Kennedy. O parente também disse que os pais dos envolvidos pagaram todos as despesas do velório de Janaína. “As pessoas se confundiram quando viram o Kennedy saindo do carro. O Alysson é quem dirigia. Ele ia deixar o Kennedy em casa”, afirmou. O primo afirmou que os dois amigos se isolaram após o acidente e que estão mantendo contato apenas com a família.

Teste de alcoolemia no motorista apontou índice de 0,30mg/L e contraprova indicou 0,31mg/L. (Foto: Reprodução/TVCA)Teste de alcoolemia no motorista apontou índice de 0,30mg/L e contraprova indicou 0,31mg/L. (Foto: Reprodução/TVCA)

Kennedy e Alysson foram submetidos ao teste de alcoolemia que apontaram índices de 0,30mg/L, no condutor, e de 0,11 mg/L, no passageiro. De acordo com a polícia, Kennedy deverá responder por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

Ele foi liberado da delegacia após pagamento de fiança no valor de R$ 1,5 mil. Já Alysson, conforme a polícia, estava como passageiro e teria trocado de lugar no veículo se passando por motorista, assinou apenas um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) de ‘autoacusação’, documento usado em crime considerado de menor potencial ofensivo.

Responder

comment-avatar

*

*