Administrador aponta custo inicial da UTI

Oskar Geib

ÁGUA BOA – O administrador de empresas Oskar Geib divulgou esta manhã em sua página em uma rede social, um cálculo aproximado para se manter uma UTI na cidade. Geib que trabalha a muitos anos na saúde do município, disse que são necessários 2 médicos por turno de 6 horas, multiplicando por 4 turnos, o que daria cerca de R$ 400 mil mensais. Para cada 3 leitos é necessária uma enfermeira padrão, 5 enfermeiras por turno, o que daria cerca de R$ 200 mil mensais. Também seriam necessários dois técnicos de enfermagem para cada 3 leitos de UTI. Oskar Geib contabilizou uma despesa mensal de R$ 80 mil, totalizando só em pessoal nestes 3 setores, gastos de cerca de R$ 680 mil. O administrador afirma que ficaram de fora os medicamentos, exames laboratoriais, demais exames especializados de UTI, gastos com os demais servidores, energia, água, gás, alimentação e demais despesas. Segundo Oskar Geib, a vinda de uma UTI é necessária, mas exigirá um alto investimento.

MATÉRIAS RELACIONADAS

CUIABÁ – O prefeito Mauro Rosa da Silva e o secretário de saúde, Renato Beraldo estão na capital. O objetivo é participar de uma reunião com técnicos de um conglomerado de UTIs de Goiânia e técnicos do governo do Estado. Na ocasião, eles discutirão a viabilidade técnica e financeira de instalar uma UTI em Água Boa. O prefeito Maurão falou esta semana, que cada leito de UTI poderia receber o investimento de R$ 1.678,00 por dia. Este dinheiro virá dos governos federal e estadual. O faturamento por leito de Uti ao mês, alcançaria R$ 50.340,00. Multiplicando por 15 leitos, o faturamento alcançaria R$ 755 mil. Hoje é uma necessidade o aumento do número de leitos de UTI em Mato Grosso. A UTI em Água Boa seria estadual, para atender pacientes oriundos do Sistema Único de Saúde. Por enquanto, as lideranças de nossa cidade não prometem a UTI, mas estão lutando pela sua consolidação.

BARRA DO GARÇAS – Sem recursos para bancar despesas diárias, o prefeito Roberto Farias (PSD), ameaçou recentemente, fechar os oito leitos da UTI do Hospital Municipal e Pronto-Socorro de Barra do Garças. Segundo ele, a situação está insustentável pela insuficiência de recursos. Se o Estado não colaborar, a UTI pode encerrar o serviço. Interativa FM

Responder

comment-avatar

*

*