ASFALTO MAL FEITO

O atual prefeito de Canarana, Walter Faria, em sete anos de mandato, construiu milhares de metros quadrados de asfalto na cidade, no maior programa de asfaltamento da história do Município. Porém o asfalto tem apresentado alguns problemas e a empresa que construiu o mesmo não tem tomado as medidas que seriam de sua obrigação. Na Av. São Paulo, por exemplo, a cada chuva forte a água invadia a torneadora do Cleiton. Como a empresa de asfalto não tomou medidas, a própria Prefeitura construiu um desnível para escoar a água. Na rua Palmitos, a água das chuvas não tinham para onde ir e ficavam empossadas em frente da casa de nº 48. Novamente a empresa não tomou as medidas e a Prefeitura está construindo um sistema com tubos para escoar a água do local. São diversos problemas como esses citados em várias ruas da cidade. Na rotatória das avenidas Santa Catarina e São Paulo, em mais de meia pista a terra invadiu o asfalto justamente também por causa da falta de desnível. No bairro Nova Canarana, a rua Augusto Pestana tem vários pontos onde a água fica empossada. Conforme Gilmar Miranda de Almeida, que trabalha no setor de engenharia da Prefeitura Municipal, a empresa Silgran, que construiu o asfalto, já foi notificada para resolver os problemas, mas até hoje não tomou posição. No contrato a empresa é obrigada a garantir a qualidade do asfalto pelo período de oito anos, o que não vem sendo cumprido. A Silgran é uma das empresas que está sendo investigada na operação Atlântida da Polícia Federal, deflagrada em 2010. Uma das denúncias é de que a base dos asfaltos, que deveria ser de 40 cm, estava com somente 20 cm em várias cidades do Vale do Araguaia. Além desse problema na justiça, a empresa não tem respondido as notificações da Prefeitura Municipal. Segundo Cleiton da Torneadora, citado nesta matéria, quando a empresa estava construindo o asfalto ele disse para o engenheiro que o local precisava de um desnível para que a água pudesse escoar. O engenheiro da empresa teria lhe dito que sabia o que estava fazendo. E assim muitos outros moradores questionaram os engenheiros na época da construção, mas não foram ouvidos.

 jopioneiro

Responder

comment-avatar

*

*