Assembleia realiza Audiências Públicas em apoio à Cultura do Trigo

Mato Grosso tem potencial de 3 milhões de hectares.

A pedido dos deputados estaduais Neldo Weirich (PR) e José Riva (PSD), realiza-se nesta quinta-feira (20) uma Audiência Pública em Primavera do Leste para tratar do Projeto de Lei 455/2013 que institui o Fundo de Apoio à Cultura do Trigo – FACTRIGO. No dia 27, o encontro será realizado em Nova Mutum.

Enquanto Secretário de Agricultura (2007 a 2010), Neldo resgatou o Projeto PROTRIGO juntamente com o pesquisador Hortêncio Paro e em parceria com a Aprosoja, através do FACS (Fundo de Apoio à Cultura da Soja), o que deu continuidade as pesquisas. “Defendemos as pesquisas por isso estimulamos a criação do Fundo para mantê-las. Acreditamos nesta nova cultura como mais uma oportunidade de segunda safra, com potencial de rentabilidade e garantia de comercialização”, comentou o parlamentar.

O deputado comparou o trigo com a cultura da soja e do milho que tempos atrás também eram incertas no Estado. “Se olharmos para traz e nos depararmos com as pesquisas da soja a mais de 30 anos, grão até então não cultivado e com dúvidas dos seus resultados, e posteriormente as pesquisas com o milho que trouxeram as mesmas preocupações, mas logo após apresentaram resultados positivos, temos certeza que este será um novo processo de pesquisa que resultará na implantação de mais uma cultura em Mato Grosso”.

O fundo terá como receita principal a contribuição no valor de 0,1 (um décimo) da UPF/MT por tonelada de trigo comercializada no Estado com proveniência externa, além de doações, auxílios oriundos de convênios com instituições públicas e privadas e créditos consignados no orçamento estadual.

Para o coordenador da Câmara Técnica do Trigo e pesquisador da Empaer, Hortêncio Paro, a nova legislação será fundamental para alavancar o setor em Mato Grosso colocando o trigo como uma opção real nas modalidades sequeiro ou irrigado. “Mato Grosso importa hoje 120 mil toneladas de farinha/ano a um custo enorme e esse recurso pode ficar aqui gerando emprego e renda. Hoje já temos tecnologia e municípios como Primavera do Leste, com mais de 25 mil hectares de área irrigada e que poderia ter um moinho das próprias cooperativas. Assim o produtor plantará trigo e venderá farinha, verticalizando a produção”.

Outro grande desafio, explica Paro, é mostrar aos produtores de soja, através da Aprosoja, o trigo como uma excelente opção para manejo das áreas plantadas. O trigo contribuirá para melhorar as condições fitossanitárias, reduzir o nível de utilização de herbicidas e aumentar a produtividade da soja. Já existem muitos produtores investindo também no trigo e o plantio comercial começa em 2014, abrindo novas perspectivas para a agricultura em Mato Grosso.

A reunião terá a presença de representantes da Famato, Aprosoja, Empaer, UFMT, IFET, CREA, Indea, Conab, Organização das Cooperativas, além de produtores rurais e empresários do setor e terá início às 19h.

Fabiana Gil

Assessoria de Imprensa

Responder

comment-avatar

*

*