Avestruz ataca e mata trabalhador em fazenda de Mato Grosso, diz família

Polícia abriu inquérito para apurar morte de trabalhador no último sábado (6).
Perto do corpo, testemunhas encontraram penas do animal.

Avestruz vive sozinha solta em fazenda no município de Poxoréu.

(Foto: Reprodução/ TVCA)

Um trabalhador rural do Distrito de Jarudore, em Poxoréu, a 259 km de Cuiabá, morreu após supostamente ter sido atacado por um avestruz que pertence a uma fazenda vizinha, no último sábado (6). O corpo de Jucelir de Araújo, de 52 anos, foi encontrado com várias perfurações no pescoço, abdômen e braços em um pasto, segundo a família dele. A Polícia Civil já abriu inquérito para investigar o caso.

A ave, que entre os moradores da comunidade tem fama de ser enfurecida, possui mais de dois metros de altura. Ela é criada solta na fazenda. O dono da propriedade tinha criação de  avestruz até o ano passado, mas depois encerrou a atividade e doou as aves para pesquisadores de uma universidade. Apenas um animal restou.

Testemunhas disseram que o trabalhador tinha problemas de audição e não teria ouvido barulho do momento em que o animal se aproximou dele. A vítima fazia limpeza perto da cerca que divide a propriedade da família à fazenda onde vive o avestruz. Esse trabalho é conhecido como aceiro e visa impedir a propagação de incêndios nos pastos.

No local, onde o corpo dele foi encontrado, os familiares acharam uma vara que ele supostamente teria usado para tentar se defender, além de penas do animal. Um sobrinho da vítima, que pediu para não ter o nome divulgado, disse não haver dúvida de que o avestruz tenha matado o lavrador.

Jucelir de Araújo, de 52 anos, morreu após suposto ataque de avestruz. (Foto: Reprodução/ TVCA)
Jucelir de Araújo, de 52 anos, morreu após suposto ataque
de avestruz. (Foto: Reprodução/ TVCA)

Uma médica veterinária, responsável pela fazenda onde avestruz é criado, disse que a morte se tratou de uma fatalidade e lamentou a morte do trabalhador. Argumentou que é preciso aguardar o resultado da perícia para afirmar se, de fato, foi o animal que causou a morte da vítima. Ela disse ainda que aguarda pesquisadores do curso de zootecnia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), do campus de Rondonópolis, buscá-la na propriedade e levá-la até o centro de estudo que analisa o comportamento e as características dessas aves.

Um agricultor que vive na região e pediu para não ter o nome divulgado disse que essa não foi a primeira vez que o animal atacou alguém. “Esse já foi o quarto ataque. Esse que faleceu acudiu o próprio fazendeiro [em outra ocasião] do ataque do animal. Ele andava com o fazendeiro na propriedade. Se ele não tivesse socorrido, o fazendeiro teria sido morto”, contou.

A lavradora Sandra Cavalcante Costa, que também vive na região, confirma casos de ataques. “Ela atacou outro rapaz que mora em Jarudore e ele só não morreu porque conseguiu entrar embaixo da roçadeira do trator”, afirmou.

No Distrito de Jarudore, que conta com 1,2 mil moradores, a morte do trabalhador chocou a população. “Tenho 70 anos e ainda não tinha ouvido falado que avestruz poderia matar alguém e agora aconteceu”, disse o motorista Agenor José Dourado. G1.MT

Responder

comment-avatar

*

*