Batalha eleitoral pelo governo de Mato Grosso tende a ficar clara com início do horário eleitoral gratuito

Falando poucos dais para a estréia do horário eleitoral gratuito do rádio e da TV, os candidatos ao governo de Mato Grosso começaram a tornar mais claras a estratégia na corrida sucessória. Além de expor algumas propostas para as principais áreas, como saúde, transporte e educação, eles elegeram alvos preferenciais para críticas e ataques.

Ao fim do primeiro mês de campanha, os candidatos e seus assessores aceleraram internamente os debates de novas táticas para a disputa, que serão aplicadas paralelamente ao trabalho já desenvolvido desde o início da campanha, como caminhadas, panfletagens e visitas às cidades das diferentes regiões de Mato Grosso.

Nas manifestações públicas e agendas de campanha, tem ficado evidente que o debate será pautado pelas críticas contundentes. A aposta de todos é acentuar eventuais pontos frágeis dos adversários.

As estratégias também serão pautadas pelas pesquisas de opinião pública sobre tendência do eleitorado. A primeira divulgada nesta campanha pelo Ibope/TV Centro América, colocou o candidato governador pela coligação ‘Coragem e Atitude para Mudar’, senador José Pedro Taques (PDT), em primeiro lugar, com 32%. 

Com margem de erro de três pontos percentuais, o levantamento do Ibope aponta o ex-vereador Lúdio Cabral (PT), da coligação ‘Amor à Nossa Gente’, com 14%, em empate técnico com o deputado estadual José Geraldo Riva (PSD), com 13%. 

Na sequência, pelo Ibope/TVCA os candidatos José Roberto (PSOL), com 5% das intenções de votos, e José Marcondes Neto, o“Muvuca” (PHS), com 1%. Brancos e Nulos somam 14% e 17% não sabem ou não responderam. 

A reportagem do Olhar Direto apurou que, para os candidatos, a pesquisa do Ibope/TVCA não chega a ser uma surpresa para os estrategistas de campanha, que já têm consultado os números diariamente. Todavia,  define ainda mais o caminho daqui para a frente.

Pelos levantamentos analisados, existe forte tendência de haver segundo turno. Por ora, a maior probabilidade é de que Taques se mantenha líder, enquanto Ludio e Riva disputem a segunda vaga, na rodada decisiva do pleito. Dessa forma, o embate deve endurecer entre os três no horário eleitoral e nos próximos debates. 

José Roberto e Muvuca, por sua vez, precisam crescer para garantir um espaço digno e ameaçar os favoritos. Para isso, como numa maratona, terão de ultrapassar os índices muito aquém dos adversários. 

Com candidaturas indeferidas no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Riva e Muvuca ainda dependem de liminares do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para continuarem em campanha e, principalmente, terem seus nomes inclusos na urna eletrônica.

“Vou continuar fazendo campanha centrada no corpo a corpo com a população e na comparação dos três anos do meu governo com os quatro anos da atual gestão”, explicou o candidato Ludio Cabral.

José Roberto decidiu que não envolveria diretamente na disputa entre os supostos favoritos. Com essa postura, a expectativa é de capitalizar eleitores descontentes com as agressões mútuas entre os candidatos mais bem posicionados nas pesquisas. Ele tem defendido fazer uma campanha propositiva, mostrando o que pretende fazer pelo Estado, caso seja eleito. (Colaborou Jardel Arruda)

Responder

comment-avatar

*

*