Chuvarada causa prejuízos a moradores do Morada do Sol e transtornos a estudantes da 31

CANARANA – As primeiras chuvas provocaram aquilo que se sabia e se temia. Elas causaram enxurrada, criaram valetas, danificaram as obras de drenagem tapadas e adentraram em terrenos e casas que ficam ao redor da avenida Tocantins, bairro Morada do Sol, levando lama e água.

Em 2016, o Governo do Estado assinou convênio no valor de R$ 2,5 milhões e contrapartida de R$ 178,4 mil da Prefeitura Municipal, para obras de contenção da erosão e drenagem de águas pluviais no bairro Morada do Sol. Iniciadas este ano, as obras seguiram em ritmo acelerado, com a meta de que fossem concluídas antes do período das chuvas. Porém, com 22% dos serviços já executados, a empreiteira teria direito a receber pelo que já foi realizado o valor de R$ 550 mil, mas teria recebido somente R$ 150 mil. Sem dinheiro em caixa, paralisou as obras.

Com início das chuvas chegando, o prefeito Fábio Faria, vereadores, juntamente com o deputado estadual Baiano Filho, se reuniram no mês de setembro com o governador Pedro Taques e explicaram a situação. O governador pediu prazo para pode fazer o pagamento, devido a dificuldades financeiras, mas devido as chuvas ameaçando cair e levar tudo embora, o prefeito se obrigou a tapar os buracos já abertos. A ideia era preservar a tubulação instalada, para que assim que o governo pagasse, a empreiteira pudesse dar andamento.

Com as fortes chuvas que caíram na cidade no final de outubro e início de novembro, a água fez um grande estrago. Com isso, imediatamente as máquinas da Prefeitura foram ao local realizar um trabalho paliativo novamente, mas não se sabe até quando vai suportar novas chuvaradas. O prefeito postou em sua página no Facebook comentários da situação. “… não estamos medindo esforços através da Secretaria de Obras, para amenizar o problema. Digo amenizar, pois o problema só será resolvido em definitivo com, pelo menos, a conclusão das obras de drenagem do bairro… a paralisação das obras por parte da empresa contratada, se deu por falta de repasses financeiros da Secretaria de Cidades à mesma. Entretanto, isso não é e não será motivo para permanecermos parados diante da situação. Nossas equipes estarão trabalhando com todos os recursos disponíveis…”, escreveu.

31 de Março

As fortes chuvas também causaram transtornos para os alunos e professores da Escola Estadual 31 de Março. As aulas atualmente acontecem no Parque de Exposições Cidade Jardim, porque o prédio da escola está interditado. As fortes chuvas adentraram nas salas e outros espaços ocupados pela escola no Parque, prejudicando as aulas e o andamento dos trabalhos.

O prédio da escola foi interditado no final do ano passado e as aulas transferidas para o Parque desde então. Canarana foi contemplada com uma escola modelo com valor de mais de 12 milhões de reais pelo Governo do Estado. A última informação é que a licitação ocorre até o final deste ano e as obras iniciem em 2018 com previsão de término para o final do ano que vem. Enquanto isso, a promessa é que até o final deste ano, sejam destinadas salas móveis para serem instaladas no Parque para abrigar as aulas em 2018 até a conclusão da nova escola.

jopioneiro

Responder

comment-avatar

*

*