Cidade de Mato Grosso contrata médico com salário maior que o da presidente da República

Um médico na cidade de Itanhangá, na região norte de Mato Grosso, está ganhando um salário maior do que o que recebe a presidente da República, Dilma Rousseff. O novo profissional de saúde acaba de ser contratado para “reforçar a equipe de atendimento da Secretaria Municipal de Saúde” por um vencimento mensal de R$ 30 mil. A presidente Dilma recebe R$ 26.700,00.
Conforme o secretário Marco Felipe, o salário do profissional se aproxima dos R$ 30 mil, um dos mais altos pagos a médicos da região. Ele diz que o valor se justifica. “Primeiro, porque queremos profissionais altamente qualificados, satisfeitos e felizes em nosso município. Segundo, porque queremos que a população de Itanhangá tenha acesso a melhor saúde de Mato Grosso e que seja atendida com dedicação e eficiência”, comenta Felipe.
A Secretaria Municipal de Saúde está contratando mais um médico, mas se esbarra no desejo desses profissionais aceitarem se transferir para cidades de porte pequeno e com pouca infraestrutura. A questão é polêmica. Em todo Brasil as prefeituras dizem que tentam de várias formas contratar médicos, mas não conseguem preencher as vagas.
No começo do ano, o   presidente da Associação Brasileira de Municípios (ABM), Eduardo Tadeu, encaminhou uma denúncia séria:  “Tem um número pequeno de profissionais e os municípios ficam quase fazendo um leilão por esses profissionais” – disse ao defender a ampliação das vagas nas faculdades de medicina e mais facilidades para a contratação dos profissionais formados no exterior.
“Esses médicos [graduados fora do país] poderiam prestar serviços nos municípios mais necessitados, principalmente na atenção básica. “O governo poderia flexibilizar o exame exigido para esses profissionais, até mesmo reconhecendo algumas faculdades estrangeiras” – sugeriu. A proposta foi rechaçada pelas entidades que congregam os profissionais de medicina.
Itanhangá, a princípio, vai seguir na política de tentar atrair profissionais pagando altos salários. “O objetivo é reforçar e descentralizar os atendimentos e diminuir o tempo de espera nas unidades de saúde. Os usuários da saúde de Itanhangá são contribuintes e tem direito a serviços de qualidade”, destaca Marco Felipe.
A saúde, segundo o secretário, é prioridade do plano de governo do prefeito João Antônio Vieira. “Estamos trabalhando para reforçar, principalmente, a atenção primária à saúde em Itanhangá, propondo mudanças no modelo de atendimento e a revitalização de todo o sistema no município. Para isso, já estamos trabalhando para contratar mais um médico”.
 Distante 475 quilômetros de Cuiabá, Itanhangá integra a região do Alto do Teles Pires, no norte do Estado. A cidade tem uma área de 2,8 mil de quilômetros quadrados e uma população de pouco mais de 5,2 mil habitantes, segundo o Censo do IBGE de 2010. O PIB da cidade é de R$ 108 milhões e a renda per capita de R$ 22 mil. 24 Horas News

Responder

comment-avatar

*

*