Ciúme de deputados faz Silval mandar secretários-candidatos deixarem o cargo em dezembro

O componente da equipe do governador Silval Barbosa (PMDB) que desejar ser candidato a cargo eletivo em 2014 terá de deixar o governo no máximo em 31 de dezembro. O alerta partiu do próprio governador Silval Barbosa (PMDB), nesta quarta-feira (12), no centro de manutenção do VLT, anexo ao Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, ao confirmar que existe um certo ciúmes dos deputados estaduais para com os ocupantes de cargos no Poder Executivo que possam pleitear cadeiras na Assembleia Legislativa.

“Não existe briga, não. Mas às vezes ocorrem cobranças [dos deputados] sobre posturas isoladas deste ou daquele secretário [que deseja ser candidato]. Mas nada grave”, pontua ele.

Mesmo assim, na primeira semana de janeiro, Silval Barbosa pretende dar posse aos novos secretários de Estado e demais assessores, com os quais pretende terminar o mandato. Isso significa que os secretários que são candidatos tem menos de dois meses para concluir os trabalhos que estão realizando em suas pastas.

O próprio Silval Barbosa aparentemente abdicou da pretensão de disputar o Senado da República, pelo PMDB, apesar dos apelos da Executiva Nacional, do vice-presidente Michel Temer e da própria presidenta Dilma Rousseff (PT).

Dos 24 secretários de Estado, esperava-se que oito ou nove fossem entrar na disputa. Todavia, só restaram cinco: o vice-governador Chico Daltro, das Cidades; Francisco Faiad, de Administração; Eder e Moraes, de Articulação Institucional; Meraldo de Sá (PSD), de Desenvolvimento Rural; Ananias Martins Filho, de Esporte e Cidadania; e Francisco Vuolo, de Acompanhamento da Logística Intermodal de Transportes, todos dispostos a concorrer a uma cadeira na Assembleia.
Também deve sair candidato o atual presidente da Empresa Mato-Grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural do Estado (Empaer), Valdizete Nogueira, hoje suplente de deputado estadual.

Cotados para disputar uma cadeira na Câmara dos Deputados, os secretários Pedro Nadaf (PR), da Casa Civil; e Alan Zanatta (PMDB), de Indústria e Comércio (Sicme), jogaram a toalha. Já o secretário José Lacerda Filho (PMDB), de Meio Ambiente, deve continuar a pedido de Silval. Em seu lugar, seria lançado o seu sobrinho, vereador Marcinho Lacerda, filho do ex-governador Mário Lacerda e atual vice-presidente da Câmara de Cáceres.

Silval nomear em janeiro a equipe com a qual tem intenção de concluir o último ano de mandato. Silval deseja evitar que haja confronto de alguns secretários de Estado com os deputados estaduais, cuja maioria já está em pré campanha declarada na busca da reeleição. Reportagem  – Ronaldo Pacheco / Olhar Direto

Responder

comment-avatar

*

*