Clima e pragas reduzem produtividade de soja em MT

Na reta final da colheita em Mato Grosso, produtores rurais sentem os prejuízos em relação à produtividade

Ascom Aprosoja

A colheita da soja ainda não terminou em Mato Grosso, mas os produtores rurais já notam queda de produtividade na safra 2012/13. Segundo relatos, a queda na média da produtividade varia entre oito a 12 sacas de soja por hectare. “Nós esperávamos 60 sacas por hectare no município, mas a média foi de 50 sacas”, conta o delegado da Aprosoja de Primavera do Leste, Fernando Cadore. A baixa produtividade foi atribuída principalmente ao fator climático, como a estiagem na formação do grão e o excesso de chuva durante a colheita.

A estiagem no início do plantio e durante a formação do grão, além da presença da ferrugem asiática nas variedades precoces, impactou diretamente na produtividade nas regiões Sul e Norte. O diretor técnico da Aprosoja, Nery Ribas, explica que a disponibilidade de água é importante, principalmente em dois períodos de desenvolvimento da soja: na germinação e na floração (enchimento de grãos). “A ausência de água expressiva durante esses processos provocam alterações fisiológicas na planta, como o fechamento estomático e o enrolamento de folhas e, como consequência, causam a queda prematura de folhas e de flores e abortamento de vagens, resultando, por fim, em redução do rendimento de grãos”, informou.

Na prática, a soja tem capacidade de suportar de oito a dez dias de seca sem danos à produtividade. Nery ressalta que a necessidade total de água na cultura da soja para obtenção do máximo rendimento varia de 450 a 800 mm por ciclo, dependendo da região, do manejo e da duração do ciclo.

O diretor financeiro da Aprosoja, Antonio Galvan, explica que em Sinop também foi constatado o prolongamento de safra ou o não amadurecimento da soja. “Pela aparência das plantas esperávamos 55 sacas por hectare, em média, mas na hora de colher o grão não estava cheio. Não sei se vamos chegar à média esperada”, explicou. Devido à dificuldade de amadurecimento do grão, Galvan disse que ainda precisa colher 25% da lavoura.

Na região Oeste, a média deve fechar entre 50 sacas por hectare, explica o vice-presidente da Aprosoja na região, Alex Utida. “Toda soja que foi plantada depois do dia 28 de outubro teve em torno de 10 a 15 sacas a menos de produtividade”, relata.

A região Leste, que ainda tem 40% da área para colher, enfrentou problemas com a estiagem em alguns municípios, e com a junção de altas temperaturas casou antecipação do amadurecimento da soja, alterando o processo de formação do grão, reduzindo assim a produtividade.  “Precisamos de chuva, há mais de 13 dias que não chove em Nova Xavantina e isso impacta no rendimento do grão”, explica o vice-diretor da região.

Na região Norte, além desses problemas, também foi verificada a presença de lagartas na lavoura. Segundo produtores da região, a média foi de 48 sacas por hectare, duas sacas a menos que no ano passado. “Tivemos a presença de diversas lagartas que atacaram as lavoura”, comenta o 2º vice-presidente da Aprosoja na região Norte, Silvésio de Oliveira.

Em todas as regiões foi verificada também nesta safra a presença da mosca-branca (Bemista tabaci). Este inseto se alimenta da sucção da seiva das plantas de soja, podendo leva-las à morte ou provocar a queda de produção, além de favorecer o desenvolvimento da “fumagina’’ e a transmissão de vírus.

Responder

comment-avatar

*

*