Comitiva do Governo Federal já está em São Felix do Araguaia

Desembarcaram no Aeroporto de São Felix do Araguaia o avião da FAB com os representantes do Governo Federal para fazer a entrega oficial da Reserva Indígena Marawatsede aos Xavantes.

De acordo com informações extra-oficiais a Comitiva terá três compromissos na cidade, além do ato de entrega da Reserva, haverá também um encontro com representantes da Igreja Católica no Centro Comunitário em São Felix do Araguaia.

Não há nenhum movimento em São Felix do Araguaia, tudo segue tranquilo.

Conforme o Agência da Notícia publicou a vinda de autoridades para fazer o ato de entrega da Reserva Indígena Marawatsede aos Xavantes, A agência de Notícias do Governo Federal confirmou no site Agência Brasil, a vinda do Ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho; do secretário nacional de Articulação Social, Paulo Maldos, e do secretário nacional da saúde indígena, Antônio Alves, além de representantes do Ministério da Justiça e da Fundação Nacional do Índio (FUNAI). O grupo deve chegar em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB)

Segundo Maldos, o ato servirá para marcar o fim do processo de retirada dos não índios da área, que, salvo episódios isolados, ocorreu segundo ele sem o registro de confrontos de grandes proporções. Antes do início da operação, alguns produtores e líderes políticos chegaram a anunciar que as pessoas não deixariam a área pacificamente. Porém vale lembrar que no primeiro dia da desintrusão, dia 10 de dezembro de 2012,  mais de 20 produtores foram feridos com balas de borrachas em um confronto direto com policiais na primeira fazenda visitada pela operação de desintrusão.

“Não se trata de uma devolução qualquer. Esse foi um processo histórico”, explicou o secretário. “A meu ver, essa questão de fazer justiça aos direitos indígenas reconhecidos pela Constituição Federal é, mal comparando, como o reconhecimento a um pedido de anistia, quando o Estado reconhece que uma pessoa foi agredida em seus direitos e merece um marco [ato] formal”.

Para Maldos, o reconhecimento por parte do Estado ao direito dos índios xavantes à área é irrevogável e os recursos à Justiça que restavam ser julgados diziam respeito a uma questão sanitária, já que alguns produtores que ocupavam a área ainda reivindicam o direito a voltarem para colher a safra que havia sido plantada.

Para o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), concluída a retirada dos não índios, cabe aos governos federal e estadual garantir os demais direitos sociais da comunidade xavante. Em nota, a organização ligada à Igreja Católica afirma que as condições sanitárias no Polo Base de Saúde são péssimas, tanto que, recentemente, ao menos quatro crianças morreram com um quadro de desidratação generalizada.

Ainda de acordo com o Cimi, faltam medicamentos no posto de saúde e que nem mesmo o lixo hospitalar é descartado adequadamente, sendo incinerado junto com o lixo doméstico em um buraco cavado atrás do posto de saúde. Além disso, segundo ainda o Cimi, o cacique de uma das aldeias, Damião Paridzané, teria recebido uma ameaça de morte de um ex-morador há cerca de um mês, após a retirada dos não índios ter sido concluída.

A operação de desintrusão foi concluída de acordo com a própria FUNAI há cerca de dois meses, além de entregar oficialmente a terra aos Xavantes, assuntos como novas demarcações seriam discutidas neste ato.

Sexta-feira (05) será um dia histórico para o Araguaia e para a etnia Xavante, já que pela primeira vez, três ministros brasileiros devem vir até a região do Posto da Mata para fazer a entrega oficial da Reserva indígena Marawatséde, antiga Suiá Missú.

De acordo com a fonte do Agência da Notícia que preferiu manter a identidade em sigilo, os ministros da Justiça José Eduardo Cardozo, Ministro da Saúde Alexandre Padilha e o Ministro da Reforma Agrária Pepe Vargas, estarão na manhã desta sexta-feira (05), visitando a reserva indígena Marawatséde ao Cacique Damião, maior líder dos Xavantes.

A FUNAI também estará presente no evento, que tem presença marcada de representantes da Prelazia de São Felix do Araguaia – a Igreja Católica, e com a possível presença do Bispo Emérito Dom Pedro Casaldagla um dos principais idealizadores da entrega da reserva aos Xavantes.

De acordo com informações da própria Prelazia de São Felix do Araguaia, que confirmou a informação da vinda dos ministros, alguns temas serão debatidos com a comunidade Indígena. Um funcionário da Prelazia disse ao Agência da Notícia, que serão tratados assuntos ligados a novas demarcações indígenas, saúde indígena e os Direitos dos Índios com o Ministro da Justiça.

Reserva Indígena Marawatsede:

A área da Reserva Indígena Marawatsede conhecida como Suiá Missú tem uma extensão de aproximadamente 165 mil hectares. De acordo com a FUNAI, o povo xavante ocupa a área Marãiwatsédé desde a década de 1960. Nesta época, a Agropecuária Suiá-Missú instalou-se na região. Em 1967, índios foram transferidos para a Terra Indígena São Marcos, na região sul de Mato Grosso, e lá permaneceram por cerca de 40 anos, segundo o órgão.

Porém de lá pra cá as terras foram ocupadas por agricultores e produtores rurais, que em dezembro do ano de 2012 começaram a deixar as terras por uma ordem judicial provisória e sem o julgamento do Supremo Tribunal Federal.

Cerca de sete mil pessoas foram retiradas da área da Suiá Missú, sem direito a nada e basicamente com uma lona embaixo do braço.

Responder

comment-avatar

*

*