Concurso de modelos é alvo de investigação sobre exploração sexual

foto: garotacopapantanal2014
A agência de modelos Reynaldo Eventos Comunitários, responsável pela produção e promoção do concurso “Garota Copa do Pantanal 2014” é alvo de investigação por parte da Policia Civil de Várzea Grande, por usar sem autorização produtos da FIFA e ainda infringir o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). O concurso que tem como objetivo revelar a beleza da mulher pantaneira.

A Procuradoria Especializada em Defesa da Criança e do Adolescente de Mato Grosso apura, se os responsáveis pela agência de modelos cometeram crime de exploração sexual ou prostituição de criança ou adolescente.
No site institucional do concurso, segundo publicação do Portal G1,  foram amplamente divulgadas  vídeos e fotos de garotas em posições sensuais com camisetas promocionais alusivas ao torneio de futebol. As menores que representam ter entre 14 a 17 anos aparecem com trajes minúsculos, que e muitas vezes beiram o erotismo.  Nos vídeos, as garotas dançam, sorriem, mandam beijos ou fazem ‘coraçõezinhos’ com as mãos. Algumas chegam a erguer a roupa para mostrar o sutiã do traje de banho e quase sempre elas usam shortinhos, minissaias e decotes.
O responsável pelo grupo, “Garota Copa Pantanal 2014”, Reinaldo Luís Akerley Cavalcante, de 40 anos, negou as suspeitas de exploração sexual. Segundo Cavalcante, houve “falha” na produção das imagens que mostram menores de idade em poses sensuais.  Ele garante que isso será avaliado pela equipe de trabalho do seu curso de modelos.  “As garotas integram um grupo itinerante de modelos que leva a beleza da mulher matogrossense e ajuda a divulgar a Copa do Mundo em Cuiabá”, sustenta.
foto: garotacopapantanal2014

Até o momento, segundo o G1,  cinco adolescentes foram ouvidas e todas negaram ter sido vítimas de exploração sexual ou prostituição, contudo, o procurador Paulo Prado remeteu ofício à Secretaria de Estado de Segurança Pública do Mato Grosso solicitando a abertura de inquérito da Polícia Civil.

No entendimento do procurador Paulo Prado o conteúdo das imagens disseminadas na internet fere o artigo 244 A da Lei 8.069, de 1990, do ECA, que trata das questões e punições relacionadas a quem submete menores “à prostituição ou à exploração sexual”. A pena prevista para quem comete esse tipo de crime é de “reclusão de quatro a dez anos, e multa”.
Já o secretário de Estado de Segurança Pública, Diógenes Curado acredita  que existe uma linha tênue “entre exposição de beleza e erotismo”. Depois de analisar alguns dos vídeos Curado indicou a Delegacia Especializada de Defesa da Mulher, da Criança e do Idoso em Várzea Grande para averiguar o caso.
A Procuradoria e Polícia Civil também já solicitaram à Justiça a retirada dos sites usados pela empresa para divulgar as imagens das adolescentes.
A Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) também foi acionada. Segundo Mauricio Estrada, assessor especial comunicou à agência sobre o uso indevido da marca da Fifa. A Secopa pediu para Cavalcante retirar a logomarca da federação das camisetas e não usar mais o nome “Copa 2014”. De acordo com o governo do Mato Grosso, não há nenhum vínculo entre a administração e o evento.
foto: garotacopapantanal2014
foto: garotacopapantanal2014
24 Horas News

Responder

comment-avatar

*

*