Confresa é a cidade mais violenta de Mato Grosso; em Cuiabá houve queda no número de humicídios de jovens

Os homicídios de jovens em Cuiabá teve queda, mas ainda é extremamente grande em algumas cidades do Estado como Confresa e Várzea Grande. É o que aponta o Mapa da Violência 2013: Homicídios e Juventude no Brasil.  Cuiabá os hominicídios diminuíram 40,9%, enquanto no Estado houve uma redução  de 16%. A violência está concentrada principalmente nas cidades do interior, onde o policiamento é menor. Confresa (1.149 km da capital, próximo à divisa com o Pará) está em 45º lugar no ranking das 100 cidades mais violentas, com mais de 20 mil habitantes.
Em 2001, Cuiabá registrou 153 homicídios de jovens (18 a 25 anos), dez anos depois esse número caiu para 85, uma redução de 44,4%. Em contraposição, a região Centro-Oeste é a que mais registra casos de mortes por causas “extremas e violentas”: 69,8%. Atrás da região Sul (67,7%), Nordeste (66,9%), Norte (63,4%) e Sudeste (57%). O estudo aponta também a violência está espalhada em diversas cidades das cinco regiões.  “A situação da Região Centro-Oeste é bem mais heterogênea. Goiânia apresentando um elevando crescimento: 100,9%, Brasília com crescimento mais moderado: 26,2% e quedas relativamente baixas em Campo Grande e Cuiabá.”
De acordo com o Mapa da Violência 2012, apresentado pelo Instituto Sangari, entre 2008 e 2010, quatro cidades de Mato Grosso figuraram na lista das mais violentas do Brasil: Colniza, Nova Bandeirantes, Várzea Grande e Comodoro.
O estudo, que é realizado desde 1998, pelo sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz levanta uma questão: “Será que avançamos?”
A taxa de homicídios da população total em 1996 era de 24,8 por 100 mil habitantes, em 2011cresceu para 27,1. De jovens passou de 42,4 para 53,4. Também são evidenciadas as mortes no transito, em 96 era 22,6 em 2011 passou para 23,2. As mortes juvenis passaram de 24,7 para 27,7. “Não parece haver muitos motivos para festejar, pelo contrário. A situação que já era inaceitável quando elaboramos o primeiro mapa, agravou-se ainda mais”, relata o estudo. 24 Horas News

Responder

comment-avatar

*

*