Crise afeta o Carnaval e pelo menos 10 municípios de MT não terão folia

Sem festa, cada município deve economizar entre R$ 200 mil e R$ 500 mil.
Municípios dizem priorizar investimentos em educação, saúde e infraestrutura.

Dez municípios em Mato Grosso não vão realizar festa de Carnaval em 2016. Devido à crise econômica e necessidade de investimentos em outras áreas, os municípios decidiram não promover o evento. Neste ano, Campo Verde, Guaratinga, Lucas do Rio Verde, Mirassol do Oeste, Nova Mutum, Nortelândia, Pontes de Lacerda, Rondonópolis e Sorriso devem ficar fora da folia.

Em Campo Verde, a 139 km de Cuiabá, o município informou que os recursos devem ser destinados à compra de equipamentos para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas. A Prefeitura de Rondonópolis, a 218 km da capital, alegou que nos dois anos anteriores o evento também não foi realizado em razão de outras prioridades, como saúde, educação e infraestrutura.

Algumas cidades da região Norte do estado, como Lucas do Rio Verde, Nova Mutum, Sinop e Sorriso, já não realizam o carnaval de rua com recursos públicos desde 2013.

A prefeita interina de Sinop, Rosana Martinelli (PR), apontou economia de R$ 500 mil. Os recursos devem ser destinados a outras áreas.

O secretário de Indústria, Comércio e Turismo de Sorriso, a 420 km de Cuiabá, Rafael Reis, também disse que a verba que seria destinada à festa popular, em torno de R$ 300 mil, deve ser investida nas necessidades prioritárias do município.

“Cancelamos o Carnaval em 2015 e o dinheiro foi usado na reforma da Unidade de Pronto Atendimento – UPA e na compra de um veículo Van com capacidade para 20 pessoas, usado no transporte diário de pacientes que estão em tratamento fora da cidade. Este ano, novamente, optamos por não fazer o Carnaval e investir esse valor em melhorias ao nosso município”, afirmou Rafael Reis.

Na mesma Linha, a Prefeitura de Nortelândia, a 254 km da capital, cancelou o carnaval a fim de economizar R$ 200 mil.

Em Mirassol do Oeste, a 329 km de Cuiabá, a secretária de Educação, Marli Andromede Ferrreira, também anunciou no dia 11 deste mês o cancelamento do Carnaval de rua. “Depois de reuniões realizadas com o prefeito Elias Mendes Leal (PSD), constatamos que o gasto não seria baixo e decidimos dar prioridades para a educação do município”, explicou Marli.

Segundo a assessoria da prefeitura de Guiratinga, a 334 km de Cuiabá, devido às dificuldades que a crise econômica vem provocando na arrecadação dos estados e municípios apontam na direção de um agravamento neste início de 2016, o prefeito Hélio Goulart (DEM) suspendeu os gastos com realização de Carnaval de rua de 2016.

Alternativa
O município de Cáceres, a 250 km de Cuiabá, terá Carnaval de rua, mas sem gastos públicos. Segundo o prefeito Francis Maris (sem partido), o evento deve ser realizado em parceria com empresas privadas. “Cedemos a limpeza e o lugar. Por isso, não teremos nenhum custo”, explicou o prefeito. G1.MT

Responder

comment-avatar

*

*