Eduardo Moura desmente ligação com Salvatore Cacciola

O suplente de deputado federal Eduardo Moura (PPS) concedeu entrevista para desmentir que tenha qualquer vínculo familiar ou empresarial com o ex-banqueiro internacional Salvatore Cacciola. O socialista disse que a notícia é requentada com o objetivo de prejudicá-lo e causar uma má impressão sua perante o senador Pedro Taques, que visitou Barra do Garças recentemente.

Moura disse que essa notícia foi ‘plantada’ durante a campanha de 2006 quando tentaram confundir a opinião pública dizendo que ele teria ligação com Cacciola inclusive citando a fazenda Marca. O suplente explicou que a fazenda dele é Marca com “C” diferente do banco Marka com “K” do ex-banqueiro.

A entrevista de Moura na Rádio Aruanã segunda-feira (30) foi para apagar o incêndio causado pela pergunta do padre Alberto Pereira ao senador Pedro Taques se havia alguma ligação do suplente com o ex-banqueiro na sexta-feira (27) na Rádio Universitária.

Moura é pré-candidato a prefeito de Barra do Garças pelo PPS e luta para ter apoio do senador Pedro Taques (PDT). Ele é proprietário do maior confinamento de gado do mundo sediado em Barra do Garças.

Em 2006, Moura foi o mais votado para deputado federal em Barra do Garças durante embate político com Welinton Fagundes quando, segundo explica, ‘plantaram’ essa inverdade com o objetivo de prejudica-lo e agora tentam requentar o assunto.

Alberto Salvatore Cacciola é dono do banco MARKA, onde envolveu-se no escândalo que levou à queda do ex-presidente do BANCO CENTRAL, FRANCISCO LOPES. No auge da crise que antecedeu a desvalorização do real, em 1999, o BANCO CENTRAL vendeu dólares a preço  abaixo do mercado ao MARKA e ao FONTECINDAM, sob a justificativa de evitar a quebra do sistema financeiro.

Olhar Direto via noticiasnx

Responder

comment-avatar

*

*