Escutas telefônicas mostram como bandidos agiam

Dois vídeos divulgados pela TV Centro América (Globo/4), ao longo desta semana, revelam trechos de escutas telefônicas realizadas na Operação “Sétimo Mandamento” pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), durante os 90 dias de investigação que culminaram na prisão de uma quadrilha de assaltantes especializados na modalidade “saidinha de banco”.

Os “grampos” revelam como os bandidos agiam para roubar as pessoas, inclusive, com a ajuda de funcionários de empresas. A quadrilha foi presa, no fim do ano, mas, no começo do mês, foi solta por decisão do desembargador Pedro Sakamoto, que concedeu habeas corpus.

Como o MidiaNews publicou anteriormente – clique aqui -, a quadrilha era formada por 44 pessoas, que se dividiam em quatro grupos, comandados por diferentes líderes: Bruno Jardel Santana (Equipe I), Márcio da Silva Luz (Equipe II), José Augusto de Figueiredo Ferreira, o “Sapo” (Equipe III), e Edmilson Ferreira Lima, o “Lobinho” (Equipe IV).

Uma das escutas telefônicas divulgadas pela TVCA mostra como o “olheiro” agia dentro das agências bancárias. Ele era o responsável, segundo o promotor Arnaldo Justino da Silva, por observar a movimentação no interior da agência bancária, escolher a vítima e descrever para o “pegador”, por ligação ou mensagem (SMS), qual o vestuário e a soma sacada pela vítima.

Confira trechos da conversa:

Bandido 1 – “Buzinão”, vai sair pelos fundos dois “bichinhas”, com cinco.

Bandido 2 – Com cinco “barão”?

Bandido 1 – Manda ver. Vou ficar aqui por perto porque eu vou voltar lá dentro. Vou depositar um dinheiro lá.

Bandido 2 – Mas, vai sair pelo fundo, com que carro?

Bandido 1 – Não. Então, eu vou acompanhar eles. Voltei aqui só pra te avisar. Pra você ficar “ligeiro” pra nós não perder.

Bandido 2 – Falou.

Em outra ligação, captada durante a Operação “Sétimo Mandamento”, um funcionário de uma empresa passa as informações para um dos membros da quadrilha, para facilitar a abordagem dos bandidos.

Na conversa divulgada, o funcionário de uma farmácia localizada no Distrito Industrial, na Capital, explica para o bandido quem é o responsável por realizar a movimentação bancária da empresa e como ele leva o dinheiro para ser depositado.

Assaltante – Todo dia sai?

Funcionário – Todo dia sai.

Assaltante – Demoro pra nós ir amanhã então. O cara que sai com malote?

Funcionário – Ah, o cara que sai com o dinheiro daqui para depositar é o motoqueiro, “véinho”, ele sai sozinho. (…) Numa moto prata.

Assaltante – Numa moto prata?

Funcionário – Uma moto prata “véia”, acho que é de 91 ou 92. É “véia” a moto dele.

Assaltante – É. E ele coloca o dinheiro aonde? Dentro do saco ou não?

Funcionário – Não, ele coloca o dinheiro na barriga e fecha a camisa.

Assaltante
 – Ah, entendi. Mas é todo dia?

Funcionário – Todo dia, todo dia.

Assaltante – Agora ele já saiu, né?

Funcionário – Agora já foi. Até cinco, seis mil, sete mil.

Assaltante – Amanhã então.

Funcionário – Amanhã.

Em outra ligação interceptada pelo Gaeco, os bandidos já conseguiram pegar o dinheiro e estão em fuga.

Bandido 1 – “Ta” indo uma BMW aqui. Os caras estão atrás deles.

Bandido 2 – Eles estão pegando?

Bandido 1 – Não sei não. Só encostou. “Tá” pegando.

Bandido 2 – Heim! Dá uma força lá. Fala pra eles vim reto.

Bandido 1 – Pegaram o dinheiro.

Bandido 2 – Fala pra ele vim rumo Pronto Socorro.

Bandido 1 – Então sobe.

Bandido 2 – Fala pra eles que tem uma caminhonete L200 aqui atrás.

Bandido 1 – Acelera! Tem uma caminhonete L200 seguindo vocês. Ele parou em frente ao colégio.

Organização

A quadrilha sempre agia em grupos de quatro. Depois que o “olheiro” descrevia a vítima, era a vez de o “pegador” entrar em ação. Ele seguia a vítima, normalmente em um veículo dirigido pelo líder da ação, e, armado, abordava a pessoa, levando a quantia sacada.

Em seguida, o “pegador” era auxiliado na fuga pelo “piloto”, que chegava em uma moto, com as placas dobradas para evitar reconhecimento, e levava o comparsa na garupa, “costurando” entre os carros.

Segundo o promotor Arnaldo Justino, normalmente, os assaltantes escolhiam a “hora do rush” para abordar as vítimas, uma vez que o intenso fluxo de veículos acabava por dificultar a ação da Polícia ou uma possível perseguição.

Relembre o caso

A maior parte do bando foi presa no dia 14 de dezembro, mas, pelo que o TJMT apontou como “erro processual”, os bandidos ganharam o benefício de responder ao processo em liberdade, conforme o MidiaNews publicou com exclusividade, no dia 2 – clique aqui.

Na última semana, o Gaeco conseguiu, junto à Justiça, a emissão de novos mandados de prisão preventiva contra o grupo.

Para ajudar na recaptura dos bandidos, a PM e o Gaeco pedem para que a sociedade denuncie, caso aviste algum dos membros da quadrilha.

As denúncias são anônimas e podem ser feitas pelos telefones da Polícia Militar, que são o 190 ou 0800 65 3939.

O Gaeco também tem telefones para receber denúncias quanto ao paradeiro dos bandidos foragidos: 3613-1622/1628/1623 e o celular 9954-4375.

Procura-se

Até o momento, estão sendo procurados pela Polícia os membros da quadrilha relatados abaixo – sendo que oito já estavam foragidos desde a emissão dos primeiros mandados de prisão preventiva, e foram beneficiados com o salvo-conduto, por decisão do desembargador Pedro Sakamoto, em 30 de dezembro de 2011.

Confira o nome dos integrantes da quadrilha e veja a foto de cada um deles no arquivo disponibilizado pelo MPE – cliqueaqui.

Joel Alves da Silva
Sidney da Silva Monteiro
Maurício de Amorim
Claudinei Ferreira Pontes
Paulo Magaiver Ferreira dos Santos
Jefferson Gomes Galvão
Oilquerson de Arruda Neves
José Augusto Dias
Will Robson de Araújo Guimarães
José Augusto de Figueiredo Ferreira
Willian Winter Fernandes Souza
Luiz Carlos Alves Júnior
Edilson Campos Francisco
Juliano Rodrigo dos Santos
Francisco José de Sá Souza
Maria José da Silva
Tamires Fernanda de Arruda (foragida desde 14/12/2011)
Fabrício Monteiro Pontes (Foragido desde 14/12/2011)
Daniel Ramos da Silva (Foragido desde 14/12/2011)
Paulo César Alves da Cruz (foragido desde 14/12/2011)
Eduarto Ortt Barbosa (foragido desde 14/12/2011)
Dhomas Henrique de Lima Farias (foragido desde 14/12/2011)
Edmilson Ferreira Lima (foragido desde 14/12/2011)
Erick Felipe da Silva Almeida (foragido desde 14/12/2011)

Midia News

Responder

comment-avatar

*

*