Exportações mato-grossenses salvam Centro-Oeste na balança comercial

Mato Grosso “salva” a balança comercial do Centro-Oeste, que fechou o 1º bimestre de 2013 em US$ 1,433 bilhão. Conforme dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), o superávit estadual (diferença entre as importações e a exportações) somou US$ 1,845 bilhão, enquanto que o saldo goiano foi de US$ 51,1 milhões, representando apenas 2,7% do resultado regional. O desempenho mato-grossense equilibrou as “perdas” da região provocadas pelo déficit de US$ 495,674 milhões registrado nas balanças comerciais do Mato Grosso do Sul e do Distrito Federal.

Na análise de economistas, esse volume financeiro no superávit não traduz uma situação econômica favorável para o Estado, justamente por se tratar de um crescimento registrado na exportação de produtos primários. “Parece positivo, mas é negativo com um custo ambiental grande e a exportação de empregos”, avalia o economista Getúlio de Paula, frisando que, apesar de 45% da renda de Mato Grosso vir do agronegócio, o setor contribui com menos de 10% na arrecadação de impostos. “Mato Grosso só vai sair dessa situação depois que começar a industrializar produtos”.

Para o economista Vitor Galesso, especialista em comércio exterior, o resultado estadual é símbolo de um processo de estagnação do modelo de desenvolvimento mato-grossense. “A gente fica na agricultura, alimentando a China, e não consegue andar daqui até Rondonópolis por causa do congestionamento e da situação das estradas”. O especialista afirma que os números são “fictícios” porque não respondem com efeito ao processo de desenvolvimento. Além disso, em caso de uma crise de produtividade ou mesmo de consumo, o Estado estaria “extremamente vulnerável”. “Estamos comemorando o gol no início do jogo. Tem um campeonato todo pela frente. Temos a falsa ilusão de que está tudo bem”.

Expansão –
O papel de Mato Grosso nos resultados do comércio exterior regional se fortaleceu em razão também do próprio crescimento estadual. A balança comercial, por exemplo, teve aumento de 65,5% no comparativo do acumulado de 2013 e 2012, quando o saldo havia sido de US$ 1,114 bilhão.

Exportações –
As vendas externas mato-grossenses cresceram 58,8% na soma de janeiro e fevereiro de 2013, quando fecharam em US$ 2,102 bilhões, ante a igual de 2012, quando a movimentação dos embarques chegou a US$ 1,323 bilhão. Com o aumento das exportações, Mato Grosso ocupa a 6ª posição no ranking dos estados brasileiros que mais exportam.

Secretário de Indústria, Comércio, Minas e Energia (Sicme), Alan Zanatta, frisa que a soja sempre foi o principal produto exportado, mas a grande safra em 2012 contribuiu para impulsionar o milho como produto de exportação. “Temos muito milho estocado e o preço está bom. Com a quebra da safra americana, surgiram oportunidades e o setor agropecuário está vendo no milho uma forma de agregar valores neste segmento”.

Importações –
Segundo os dados do ministério, as compras estaduais também registraram expansão no 1º bimestre deste ano. A alta de 22,9% ocorreu com o volume de importações totalizado em US$ 256,844 milhões, contra os US$ 208,835 milhões registrados no mesmo intervalo de 2012

Responder

comment-avatar

*

*