GCCO: Polícia Civil prende suspeito de explodir muro da Penitenciária Central do Estado

A Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), da Polícia Judiciária Civil,  prendeu um dos colaboradores da fuga de pelo menos 35 presos da Penitenciária Central do Estado (PCE), em 20 de agosto passado. A prisão contou com o apoio da Gerência de Operações Especiais (Goe) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF).
As investigações conduzidas pelo delegado Gianmarco Paccola Capoani chegaram até Leandro Barbosa Ferreira, 26 anos, conhecido por “Jamal”, preso em cumprimento de mandado de prisão preventiva, na noite de terça-feira (19.02), dentro de um ônibus com destino ao Estado de Rondônia.
Natural de Colorado do Oeste (RO), Leandro Barbosa está envolvido em diversas explosões de caixa eletrônicos naquele Estado e também em Mato Grosso.  De acordo com as investigações, Leandro foi à pessoa responsável por acender o pavio da bomba que explodiu parte do muro da PCE, abrindo caminho para fuga em massa de presos na unidade prisional.
Seu conhecimento em artefatos explosivos foi um dos pontos fortes que levou a quadrilha a trazê-lo de Rondônia, dias antes, para executar a ação criminosa apoiada por outros membros da quadrilha, que fortemente armados permaneceram do lado de fora em oito veículos (5 motocicletas, 2 automóveis e uma picape) para transportar os fugitivos. Quando o muro explodiu os detentos já estavam próximos.
Na companhia de outra pessoa,  Leandro chegou em Cuiabá em um veículo Fiat Uno e aqui se encontrou com a mulher de um dos presos. Juntos participaram da reunião preparatória à explosão a fuga.
O acusado foi ouvido na tarde desta quarta-feira (20.02), na Gerência de Combate do Crime Organizado (GCCO) e encaminhado a uma unidade prisional de Cuiabá. Segundo ele, há cerca de 15 dias teria retornado ao Estado para buscar uma motocicleta.
Assim como outros responsáveis pela fuga, Leandro vai responder pelos crimes de formação de quadrilha, fuga de pessoa presa, explosão, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, porte de artefato explosivo, receptação e tentativa de homicídio.
O inquérito policial aguarda o laudo de algumas perícias para ser encaminhado à Justiça. O delegado Gianmarco Paccola irá fornecer mais detalhes somente no final das  investigações.

Responder

comment-avatar

*

*