Melhoria contínua e sustentabilidade no campo

Além de ações diretamente no campo, com o programa Soja Plus, a Aprosoja procura discutir questões de segurança e saúde no trabalho rural. Ascom Aprosoja

Cuidar da qualidade de vida e gerar empregos e renda para os cidadãos são dois focos que andam lado a lado com a produção de grãos. Os agricultores de Mato Grosso estão sempre em busca da melhoria contínua, seja na superação das metas de produtividade e produção, seja na gestão das propriedades rurais e implementação de boas práticas no campo.

Com esse objetivo, a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) atua diretamente no campo por meio do programa Soja Plus, buscando sensibilizar, orientar e implementar práticas legais nas fazendas produtoras de soja e milho do estado. Com cursos gratuitos, atua no tripé da sustentabilidade econômica, social e ambiental, para que as propriedades possam produzir sem maiores preocupações.

Só nos últimos 15 meses, o programa capacitou mais de 325 propriedades no estado, e 438 associados, em parceria com a Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) e Sistema Famato, por meio da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar). As capacitações retornam a partir de maio de 2014, com cursos sobre legislação trabalhista e qualidade de vida no trabalho e, também, oficinas de trabalho em altura e procedimentos seguros na operação de maquinas agrícolas.

Outro ponto essencial são as discussões sobre uma legislação específica para o campo, devido ao carácter diferenciado do trabalho no meio rural, como as intempéries climáticas e os períodos intensos de plantio e colheita: não se pode trabalhar no campo debaixo de chuva e, nos momentos propícios de sol e umidade ideal, a jornada de trabalho deve ser aproveitada.

A entidade tem aplicado forças em ações como o Seminário Trabalhista, realizado em setembro de 2013, levantando pontos essenciais como a jornada de trabalho, terceirização e contratos de safra; e a participação na Comissão Permanente Regional Rural, tripartite que reúne representantes do governo, dos trabalhadores e empregadores para estudar, propor e aperfeiçoar questões de segurança e saúde no trabalho rural.

Na mesma mão, há uma intensa preocupação do produtor de soja e milho com a segurança do trabalhador. Durante as entrevistas do Circuito Tecnológico, em 2013, as capacitações de saúde e segurança do trabalhador apareceram em mais de 50% dos pedidos dos produtores. Segundo eles, além da melhoria no rendimento do trabalho, o colaborador bem treinado previne acidentes e cuida melhor da sua própria saúde.

Responder

comment-avatar

*

*