MINISTÉRIO PÚBLICO ENTRA COM AÇÃO DE IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA CONTRA PREFEITO WALTER LOPES FARIA DE CANARANA

O Promotor de Justiça de Canarana, Dr Jorge Damante Pereira, acaba de ingressar junto ao Poder Judiciário da Comarca deste município, com uma Ação Civil de Improbidade Administrativa contra o prefeito Walter Lopes Faria, prevendo, entre outras sanções penais, a perda da função pública e perda dos direitos políticos de cinco a oito anos.

A ação se baseia no fato de que a servidora pública Sandra Maria dos Santos ficou hospedada no Araguaia Park Hotel entre os dias 17 a 29 de janeiro de 2011, custando aos cofres públicos do município um valor de R$ 3.861,20 com a finalidade de tratamento de saúde. Porém a especificação da despesa constante no empenho diz que se trata de “valor correspondente a despesa com hospedagens, para professores, em curso de especialização em Barra do Garças, para atender a Secretaria”.

Segundo depoimento da própria Secretária de Educação Beatriz Irber, a Secretaria de Educação não fez qualquer solicitação de verba para curso de especificação em Barra do Garças e que tal curso não existiu.

Além disso, a Promotoria observa que, “apesar do empenho ter sido originário da Secretaria de Educação e Cultura, a servidora Sandra Maria dos Santos, que estava em tratamento de saúde, é efetiva da pasta da Secretaria de Administração”.  É estranho também o fato do tratamento de saúde ter sido feito num hotel. “Quer dizer que agora o Araguaia Park Hotel virou hospital?”.

Em seu depoimento, Sandra declarou que estava grávida e que queria ter o filho em Barra do Garças. Não tendo onde ficar hospedada em Barra e nem dinheiro para pagar hotel, pediu ao prefeito municipal que lhe disponibilizasse a hospedagem e foi agraciada com o gesto bondoso do alcaide municipal, que a autorizou a ficar hospedada no melhor hotel de Barra do Garças, por mais de 20 dias.

O Secretário Municipal de Administração, Fábio Marcos Pereira de Faria, também foi ouvido no inquérito e isentou-se de qualquer responsabilidade atribuindo ao seu tio Walter Lopes Faria a autoria do ilícito.

Na fundamentação da Ação de Improbidade Administrativa, o promotor diz que esse ato do prefeito é de uma “irresponsabilidade administrativa de deixar qualquer cidadão honrado de cabelo em pé”. Diz também que “está provado que o requerido Walter Lopes Faria governa Canarana como se fosse proprietário dos cofres públicos”.

“Mas o que fez o requerido Walter Lopes Faria? Autorizou! E fez mais. Ordenou que constasse da nota de empenho, para justificar a despesa: valor correspondente a despesa com hospedagens, para professores, em curso de especialização em Barra do Garças, para atender a secretaria. Mentira! Imoralidade! Vergonha para o povo desta cidade. Determinar que essa farsa fosse contabilizada como despesa aplicada dentro dos 25% vinculados a Educação é um crime abominável e uma afronta aos cidadãos de bem desta comarca”.

Em função desse ato, o Ministério Público pede a aplicação das penalidades previstas da Lei de Improbidade: “ressarcimento integral do dano, perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta circunstância, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos.

Responder

comment-avatar

*

*