Multinacionais apresentam em Canarana projetos de destilarias de álcool de milho

Representantes das empresas multinacionais DuPont e Porta estiveram no dia 17 de agosto (quinta-feira) em Canarana, onde se reuniram com secretários municipais, vereadores e representantes de entidades, como Acecan, Sindicato Rural e Aprosoja. O objetivo da visita foi conhecer o município e apresentar o projeto para implantação de pequenas destilarias de álcool a partir do milho.

As MiniDest, como são chamadas, são pequenas destilarias modulares, automáticas e de operação remota, para serem instaladas em estabelecimentos agropecuários com a finalidade de produzir etanol de milho e alimento animal, agregando valor em origem.

Mato Grosso é uma região de imensa capacidade na produção de milho, mas que não consegue valorizar este produto por ficar longe dos portos. Hoje o preço do milho está cotado a R$ 10,00 em Canarana. Além disso, nosso estado possui um dos maiores rebanhos de gado do mundo.

A produção de etanol de milho e do subproduto que vira ração animal pode colocar o Mato Grosso como líder mundial e transformar a economia regional com produção do etanol e ração animal mais barata, melhorando a competitividade dos agricultores e pecuaristas.

Esse modelo de pequenas destilarias propostas pela DuPont e pela Porta, já estão em pleno funcionamento na Argentina. A lógica econômica das mini-usinas instaladas é mais vantajosa para economia regional que usinas de grande porte, sendo mais sólidas financeira e economicamente, com economia energética e de frete que grandes usinas não conseguem.

No Brasil a intenção é construir 300 delas, sendo que 90% no Mato Grosso. Cada mini-usina ocupa uma área pequena de 1.500 m², tem um investimento de 12 milhões de reais e produz 5 milhões litros/ano de etanol, precisando de 225 mil sacas de milho por ano. Cada mini-usina produz 4.650 toneladas/ano de alimento animal, o que dá para manter um rebanho em confinamento de 5000 cabeças de gado permanente. Em funcionamento, ela gera 7 empregos diretos. Torna-se viável com a saca de milho na casa dos 25 reais. São necessários 2,7 kg de milho para produzir um litro e cada litro sai por um custo de R$ 2,00.

Conforme a secretária de Indústria e Comércio de Canarana, Marilei Bier (Nega), que acompanhou os investidores pela região, eles apresentaram o projeto e ouviram das autoridades locais as potencialidades de Canarana em todas as áreas, principalmente no agronegócio. “Fizemos apresentação do nosso potencial e eles ficaram encantados e muito interessados em se instalar aqui”, disse Nega.

A secretária também acompanhou os investidores em Barra do Garças, onde eles se reuniram com o ministro da Agricultura Blairo Maggi. Conforme Nega, o ministro gostou do que ouviu e justamente indicou Canarana como município ideal para iniciarem o projeto. “Falaram com o ministro Blairo Maggi e o ministro recomendou Canarana para eles”, complementou.

Agora, produtores rurais com perfil para o negócio serão contatados para em grupos instalarem as mini-usinas. Conforme Marilei, a ideia das empresas é primeiro instalar uma destilaria própria para servir como modelo. Caso isso se confirme, o prefeito Fábio Faria já deixou uma área à disposição dos empresários. As demais serão vendidas aos produtores, com todo apoio técnico e comercial. “Temos que analisar bem, mas é um negócio viável e muito bom para todos”, disse Nega.

jopioneiro

Responder

comment-avatar

*

*