Operação em MT apreende carga de agrotóxico avaliada em R$ 5 milhões

Material teria sido roubado de fazendas em Vera, Santa Carmem e Matupá.
Quadrilha roubava agrotóxico, escondia carga e revendia os produtos.

Uma carga de produtos agrotóxicos avaliada em R$ 5 milhões foi apreendida durante a operação policial ‘Carga Máxima’, nesta quarta-feira (26) em Sinop e Guarantã do Norte, cidades a 503 e 721 km de Cuiabá. De acordo com a Polícia Civil, o material teria sido roubado de propriedades rurais das cidades que ficam ao norte de Mato Grosso: Vera, Santa Carmem e Matupá.

Segundo a polícia, o grupo era investigado desde outubro de 2015. Os criminosos roubavam as cargas, guardavam os produtos e faziam negociações para vender os agrotóxicos.

Eles teria cometido nove furtos de cargas de agrotóxico e tomado produtos que ultrapassam o valor de R$ 10 milhões. O líder da quadrilha e um membro do grupo foram presos.

Quadrilha roubava agrotóxico de fazendas de Mato Grosso e revendia os produtos (Foto: Polícia Civil de MT)Quadrilha roubava agrotóxico de fazendas de Mato Grosso e revendia os produtos (Foto: Polícia Civil de MT)

A apreensão da carga foi feita em duas casas em Sinop e Guarantã do Norte. Esses locais eram usados pelo grupo para esconder as caixas e os litros de agrotóxicos. Entre um dos carregamentos encontrados está um lote no valor de R$ 400 mil.

Conforme as investigações, uma das fazendas invadidas pela quadrilha pertence ao prefeito de Santa Carmem, Alessandro Nicoli (PSD). A propriedade foi invadida no último dia 14 de janeiro, onde o grupo criminoso roubou R$ 1,5 milhão em produtos agrotóxicos.

Apreensão da carga foi feita em duas casas em Sinop e Guarantã do Norte (Foto: Polícia Civil de MT)Apreensão da carga foi feita em duas casas em Sinop e Guarantã do Norte (Foto: Polícia Civil de MT)

A polícia acredita que três veículos apreendidos na operação, entre eles duas caminhonetes e uma picape, foram os mesmos veículos usados para o roubo na propriedade do prefeito. A maior parte da carga foi encontrada no Bairro Jardim Celeste, em uma casa alugada pela quadrilha. Era nesse local que os criminosos guardavam os produtos até eles serem negociados com compradores.

A carga recuperada, que a polícia estima ter um valor acima do que o esperado, ainda vai passar por uma checagem para tentar identificar a origem de cada lote. Somente então a polícia poderá fazer o procedimento de devolução às vítimas dos assaltos. G1.MT

Responder

comment-avatar

*

*