Polícia Civil prende integrante de quadrilha acusada de chacina e ameaças a juíza e delegado

 
Assessoria PJC/MT
A Polícia Judiciária Civil prendeu o integrante de uma quadrilha acusada de vários crimes na fronteira com a Bolívia, entre eles uma chacina e ameaças contra um delegado de polícia e uma juíza da região. A prisão foi efetuada pela Delegacia de Polícia Judiciária Civil, do município de Rio Branco (356 km a Oeste de Cuiabá), nesta sexta-feira (04.04).
O acusado, Marcos Pereira Filho, conhecido por “Marquinhos”, estava com a prisão preventiva decretada pelos crimes de associação criminosa para cometimentos de crimes de esbulho possessório, dano qualificado e homicídios qualificados.
De acordo com a delegada Anamaria Machado Costa, a Polícia Civil foi acionada para apurar suposta ameaça de morte feita a um delegado da região.  “Durante as diligências identificamos uma associação criminosa envolvida com grilagem de terras. A ameaça de morte feita ao delegado ocorreu durante investigação da invasão de uma fazenda, localizada no município de Lambari do Oeste”, disse.
No decorrer das investigações, os policiais civis descobriram que o grupo criminoso era o mesmo que também estaria ameaçando de morte a juíza de direito, responsável pelo julgamento da chacina ocorrida na fazenda “Nova Bom Jesus”, no Distrito de Vila Cardoso, município de Porto Esperidião (326 km a Oeste), no dia 14 de setembro de 2012. Na época, a juíza  foi transferida para outra localidade e recebe escolta de policiais militares.
Os policiais apuraram que as ameaças de morte partiram de dois integrantes da quadrilha. O suspeito Marcos Pereira teria feito ameaças a juíza e o seu comparsa que, não teve o nome divulgado, ameaçado o delegado de polícia. Ele também tem mandado de prisão decretado e está sendo procurado.
Alguns homens envolvidos na chacina estão presos desde a operação “Cata Grilo”, realizada pela Polícia Civil em dezembro de 2012. Mas, Marcos estava com o mandado de prisão preventiva em aberto. Seu paradeiro foi descoberto durante levantamento de informações da Polícia Civil por toda região.
No município de Pontes e Lacerda (448 km a Oeste), os policiais descobriram que o procurado estava escondido, em uma fazenda no município de Vila Bela da Santíssima Trindade (521 km a Oeste), onde foi dado o cumprimento da ordem judicial.
“Essa é a resposta da Polícia Civil que diariamente combate o crime, e ao repúdio as ameaças feitas a autoridade policial e judiciária”, destaca a delegada Anamaria.
Participaram das ações os policiais civis de Quatro Marcos, Rio Branco, Cáceres com apoio de policiais do Grupo Especial de Fronteira (Gefron).
A Chacina
No dia 14 de setembro de 2012, cinco funcionários contratados para obras na fazenda “Nova Bom Jesus”, foram surpreendidos a tiros quando trabalhavam no imóvel rural. Dois deles conseguiram escapar dos tiros e sobreviveram a chacina.
Dois dias depois, 16 de setembro, um dos integrantes do bando, que teria invadido a área e entrado em confronto com funcionários da fazenda foi encontrado morto dentro da mesma área de conflito, também vítima de disparo de arma de fogo no dia 14 de setembro.
Na época, a operação que levou o nome de “Cara Grilo”, deflagrada no começo de 2012, prendeu 6 pessoas por mandados de prisão temporária e 5 em flagrante. Também foram apreendidas 11 armas de fogo, além de diversos documentos relacionados a áreas de terra em conflito, dentre outros.

Responder

comment-avatar

*

*