Pressionado, Silval quer auditoria em todas as obras da Copa

Entre as obras polêmicas, estão a Trincheira do Santa Rosa e o Viaduto da Sefaz.

Atrasada, a construção da Trincheira Santa Rosa é uma das obras polêmicas e na mira do TCE. Tony Ribeiro/MidiaNews

O governador Silval Barbosa (PMDB) afirmou, por meio de nota oficial, na terça-feira (2), que irá acionar judicialmente todas as empreiteiras que executam obras de mobilidade e infraestrutura em Cuiabá e Várzea Grande – as chamadas “obras da Copa” –, para que arquem com os custos de realização de auditoria em todos os projetos em execução ou já entregues.
O Estado determinou a contratação imediata de uma empresa especializa em Auditoria Técnica em Engenharia, para a verificação de todas as obras, trabalho este que deve ser fiscalizado e acompanhado pela Auditoria Geral do Estado (AGE), inclusive, com apresentação de relatórios sobre os projetos.

A medida atende à determinação feita pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), para garantir a qualidade e a segurança dos projetos antes executados para a Copa do Mundo, e que passaram a apresentar falhas, como foi o caso da Trincheira do Santa Rosa e do Viaduto da Sefaz, ambos interditados em agosto passado.

“Não daremos ‘aceite’ em obras se o parecer apontar falta de qualidade conforme a proposta original”

Na nota, Silval afirma que não admitirá a contratação de empresas já envolvidas em vistorias e fiscalizações de empreiteiras, integrantes dos consórcios responsáveis pelos projetos e que somente serão aceitas empresas que não tenham participado das licitações ou que não estejam ligadas a obras em execução na Grande Cuiabá.

O governador ainda observou que não irá receber obras que não atendam aos padrões previstos nos contratos e projetos e que cobrará a qualidade e a garantia existente nos contratos e licitações firmados pelo Estado.

“Não daremos ‘aceite’ em obras, se o parecer apontar falta de qualidade conforme a proposta original”, afirmou.

Aeroporto sem forro

O governador afirmou, ainda, ter cobrado do presidente da Infraero, Gustavo do Vale, providências em relação às obras do Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, após parte dos forros das alas nova e antiga ter sido levadaos” pela chuva que caiu na noite de segunda-feira (1º).

“O Estado recebeu a delegação do Governo Federal para a realização da licitação das obras, mas o gerenciamento, a fiscalização e os pagamentos são de responsabilidade da Infraero”, disse.

Silval também imputou a responsabilidade pela situação atual do terminal ao Consórcio Marechal Rondon – formado pelas empresas Engeglobal Construções Ltda., Farol Empreendimentos e Multimetal –, que são responsáveis pela execução da obra que hoje já passa de R$ 83 milhões. LISLAINE DOS ANJOS 

Responder

comment-avatar

*

*