Rapaz suspeito de matar namorada de 14 anos em MT se apresenta à polícia

Jovem deve ser ouvido nesta semana pela Polícia Civil sobre o crime.
Garota levou tiro de espingarda na cabeça e morreu após uma semana.

Um rapaz de 21 anos se apresentou à polícia ao ser apontado como o autor do assassinato da namorada dele, a estudante Mirelle Santana da Silva, de 14 anos. A delegada Daniela Maidel, da Delegacia da Mulher, da Criança e do Idoso de Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, afirmou que o jovem procurou a polícia na semana passada e deve ser ouvido ainda nesta semana sobre o disparo de espingarda que acertou a cabeça da vítima. Ainda não foi pedida a prisão dele.

A vítima morreu na sexta-feira (13), após uma semana internada no Pronto-Socorro de Várzea Grande. O corpo foi sepultado no sábado (14), no cemitério Recanto da Paz, na cidade. O depoimento dela seria o principal na condução do inquérito. “A adolescente não falou. Ficou insconsciente desde o momento do crime. Por isso, dependemos dos depoimentos das testemunhas”, disse a delegada. À princípio, a suspeita era de que o jovem teria tentado manter relações sexuais com a vítima e, diante da recusa dela, ele teria efetuado os disparos.

No entanto, de acordo com Daniela Maidel, as investigações apontam para outra motivação. “Ouvimos uma testemunha que presenciou o momento do disparo e ela diz que não foi nada disso. Mas iremos ouvir o rapaz para verificar os indícios de autoria do crime”, afirmou a delegada, ao informar que, por enquanto, não poderá dar muitos detalhes do inquérito para não prejudicar as investigações, até mesmo porque o suspeito e a família vem sendo alvos de retaliação, tanto que tiveram a casa incendiada. A suspeita é de que o tiro tenha sido acidental, mas a hipótese ainda será apurada.

Além dessa testemunha, a polícia colheu depoimentos de familiares da vítima, que comentaram sobre o bom relacionamento do casal. “Todos disseram que era um casal que se dava muito bem”, disse.

A irmã da vítima contou que Mirelle começou a namorar o suspeito há aproximadamente um mês antes do ocorrido e que os dois se conheceram em um grupo de jovens de uma igreja católica, no bairro Jardim Manaíra, na cidade, onde a vítima mora. Na data do crime, segundo Franciele Santana de Campos, foi a primeira vez que a irmã saiu sozinha de casa com o suspeito.

Ela afirmou que o suspeito nunca teve nenhuma atitude violenta anteriormente e que, por causa disso, a mãe aceitou que a vítima namorasse ele. A vítima levou um tiro de espingarda na cabeça, que também atingiu uma das mãos, porque teria tentado se proteger do disparo.

No dia seguinte ao crime, ela teve morte cerebral enquanto aguardava vaga na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da unidade e, na sexta-feira, sofreu uma parada cardiorespiratória. G1. MT

Responder

comment-avatar

*

*