Recém-inaugurada pelo Governo, obra da Copa desmorona

Asfalto cedeu pouco antes da ponte que liga a Avenida Beira-Rio à Rua Antônio Dorilêo

ISA SOUSA
Mídia News

Parte do asfalto da Rua Antônio Dorilêo, localizada no bairro Coophema e próxima à Ponte Engenheiro Quidauguro Fonseca, teve que ser aberto nesta terça-feira (18) para consertar um afundamento na pista. O trecho é considerado obra da Copa do Mundo e foi inaugurado há quatro meses, no dia 29 de outubro, pelo governador Silval Barbosa (PMDB).

Com um custo de R$ 13 milhões, que inclui também a Ponte Benedito Figueiredo, a via é responsável pela interligação da Avenida Beira-Rio, no Jardim Califórnia, com a Rua Antônio Dorilêo, no Coophema.

A obra foi realizada pela construtora Três Irmãos Engenharia, da família do suplente de deputado estadual Carlos Avalone (PSDB).

Devido a abertura, a Secretaria Municipal de Transporte Urbano (SMTU) interditou cerca de 300 metros da via e colocou ao menos quatro agentes de trânsito (“amarelinhos”) para controlar o tráfego do local. Os homens farão turnos de manhã até por volta das 18h.

Uma máquina pesada já está no local para retirar parte do asfalto que cedeu e também do excesso de terra.

Muitos motociclistas têm ultrapassado a barreira, mesmo com placas com alerta de interdição, e são obrigados a dar meia volta.

No fim de semana, a reportagem esteve no local e, próximo ao desmoronamento, já havia um cone sinalizando um afundamento da pista.

Obra polêmica

Além do desmoronamento da via, a região já teve um fato inusitado em novembro passado: uma poste no “meio” do caminho, na Rua Paranatinga, no bairro Praeirinho, na região do Coxipó, em Cuiabá.

O trecho foi pavimentado para dar acesso às obras de interligação da Rua Antônio Dorilêo à Avenida Beira-Rio

Localizado no meio de uma das pistas da via recém-asfaltada, o poste de energia obrigava os motoristas a desviarem ocupando a faixa contrária, colocando sua vida – e a de outros motoristas – em risco.

Outro lado

Segundo a Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa), o problema na pista próximo a Ponte Engenheiro Quidauguro Fonseca se deve “à conexão do tubo de drenagem com o fosso de visita, fazendo com que o solo ficasse saturado e ocasionando o afundamento da pista”.

A empresa responsável pela obra, Três Irmãos Engenharia, segundo a Secopa, já está tomando a frente da recuperação da pista, sem custo extra para o Governo do Estado.

A expectativa é que de que na segunda (24) ou terça-feira (25) da próxima semana o trecho já esteja liberado.

Responder

comment-avatar

*

*