Ribeirão Cascalheira: Com obras paradas, escola funciona sem teto

Os 1.060 estudantes da escola Coronel Ondino R. Lima, a única unidade estadual da cidade de Ribeirão Cascalheira, localizada a 893 km de Cuiabá, têm tido que conviver com uma estrutura tão abandonada que chega a faltar teto em parte do prédio. Além de falhas até recorrentes na rede pública, locais como uma sala de aula, o setor administrativo e um banheiro estão totalmente descobertos há quase dois anos. O governo do estado, após reunião com representantes da unidade escolar nesta quinta-feira (11), anunciou reforma para o segundo semestre.

Os professores e a direção do colégio, cuja última reforma ocorreu em 2006, chegaram a enviar sucessivos comunicados à Secretaria de Estado de Educação (Seduc) desde que o teto ruiu para solicitar providências imediatas tanto quanto a este problema específico quanto à situação geral da escola, cujas reformas pontuais não avançam e deixam o local – onde funcionam ensinos fundamental, médio e para jovens e adultos (EJA) – como um permanente canteiro de obras.

“Também não temos quadra para os nossos alunos. A biblioteca não funciona, a secretaria está improvisada e um muro da escola está quebrado. E, quando chove, é goteira em todas as salas, porque os forros estão em péssimo estado. Nos banheiros até que fazem algumas reformas de vez em quando, mas nuncam deixam aquele estado de degradação”, conta a técnica administrativa Adriana Silveira Guirra de Souza. Ela já foi aluna da escola em 1984; em maio de 2012, passou a trabalhar no local e conta que, àquela época, já ouvia comentários dando conta de que o abandono já durava um ano.

“Os transtornos são inevitáveis, dificultando o bom andamento dos trabalhos desenvolvidos na escola. Nossos alunos estão convivendo no dia-a-dia com madeiras, ferragens, telhas e outros entulhos, correndo riscos de acidentes. Parte da escola está em estado de abandono, outra parte está entulhada de coisas, diminuindo assim o espaço físico do ambiente escolar”, relata um dos ofícios encaminhados à Seduc.

Por conta das falhas estruturais na escola, uma comissão composta por vereadores e pela diretora da unidade, Célia Macedo, reuniu-se nesta quinta-feira com o titular da Seduc, Ságuas Moraes, que assegurou intervenções no local até o mês de julho. De acordo com o secretário, a unidade estava na lista de prioridades do governo estadual no lote de licitações do ano de 2012, mas as concorrências públicas não chegaram a ser realizadas devido ao fechamento do orçamento estadual.

A escola Coronel Ondino atingiu nota de 4,7 no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb, que mede a qualidade das unidades no país) no ano de 2011 (últimos dados disponíveis para consulta no site do Ministério da Educação). A escola é a terceira opção de unidade educacional pública para os residentes de Ribeirão Cascalheira, cujo município detém duas escolas.

foto: Adriana Silveira Guirra de Souza/g1mt

Responder

comment-avatar

*

*