Rodovia do Calcário em caos por buracos, atoleiros e pontes comprometidas

Por Camila Ribeiro

atoleiro-05-12-2013

Pouco mais de 110 km de rodovia não pavimentada, com inúmeros buracos, atoleiros, pontes de madeira com estruturas comprometidas e sem qualquer ação por parte do Governo Estadual. Este é o retrato da Rodovia do Calcário, localizada num trecho da MT-326, que liga os municípios de Nova Nazaré e Cocalinho, este último já na divisa de Mato Grosso com Goiás. Embora seja a principal rota para o escoamento da produção de calcário do Vale do Araguaia, a estrada possui uma logística ineficiente e que compromete o crescimento da região e o desenvolvimento do Estado.
Diariamente passam neste trecho cerca de 450 carretas, que por conta das péssimas condições da malha viária não conseguem trafegar a mais de 10 km/hora. Grande parte desses veículos é responsável pelo transporte das 950 mil toneladas de calcário produzidas por indústrias da região, conforme apontam dados da Aprosoja.
Empresários e caminhoneiros relatam que, atualmente, o trecho de 12 km, entre a balsa de transportes até a Calcário Roncador – mineradora localizada no município de Cocalinho –, é o mais crítico. A falta de pavimentação, os atoleiros e problemas causados aos veículos transportadores oneram, inclusive, o custo do calcário.
Muitos contabilizam, ainda, prejuízos em decorrência da precariedade das vias. Não é raro encontrar caminhões parados na estrada, sem condições de seguir viagem, devido ao abandono da região. Na última semana, por exemplo, motoristas foram obrigados a interromper as viagens, enquanto aguardavam alguns reparos na via. Os reparos, contudo, são feitos por iniciativa das próprias mineradoras, que cansadas de esperar as promessas do governo acabam realizando pequenas obras na tentativa de dar vazão à produção. “Não há mais condições de tráfego neste atoleiro. Nem trator está conseguindo andar por aqui; muito menos, carretas pesadas. Precisamos de máquinas realizando serviços frequentes na rodovia. Há 30 anos trabalho carregando calcário e, sinceramente, nunca vi a estrada tão detonada do jeito que está hoje”, assegurou o motorista Bruno Peters ao site de notícias local, Água Boa News.

Desapontado com o que classifica como descaso do Governo Estadual, ele diz acreditar que boa parte dos recursos do Fundo Estadual de Transporte e Habitação (Fethab) esteja sendo desviada. Por fim, Peters ainda admite estar pensando na possibilidade de ‘abandonar’ a profissão, já que as estradas fazem da atividade algo extremamente desgastante. “A maior parte do dinheiro do Fethab está sendo roubada e o restante vai para as obras da Copa em Cuiabá. Ainda bem que as seleções não vão passar por aqui nesta estrada, aí não teria Copa porque não tem mais estrada. Acho que vou fazer só mais esta viagem e entregar a carreta para o patrão”, desabafou.
Enquanto outras centenas de motoristas já pensam em abandonar os serviços, por não mais aguentarem contabilizar prejuízos, o trecho de 112 km da MT-326 já foi licitado, por meio do programa estadual MT Integrado. Dividido em três lotes e a cargo de diferentes empresas, a ordem de serviço para o início deve acontecer somente no próximo ano.
Empresa amarga 10 anos de espera 
“Há dez anos estou à frente de uma indústria de mineração aqui em Água Boa e cansada de esperar que as promessas de Governo se concretizem. O Vale do Araguaia está limitado por conta da situação calamitosa da BR-326”. Este foi o desabafo da empresária Neila Godinho, em entrevista ao Circuito Mato Grosso. Ela, que é uma das proprietárias da Mineração Serra Dourada, diz que a situação chegou a ponto de o produtor não conseguir mais transportar o calcário, dadas as péssimas condições da principal rota de escoamento.

À reportagem, ela alegou que muitos veículos levam aproximadamente oito horas para percorrer um trecho de 100 quilômetros. Isso, segundo ela, quando não estão impossibilitados de trafegar por conta dos atoleiros. Engana-se, ainda, aqueles que pensam que os problemas limitam-se à época das chuvas. Por se tratar de uma região bastante baixa e bem próxima a alguns rios, durante as chuvas as águas invadem a pista; já durante a seca, os caminhões ficam atolados na areia. “É uma região que precisa de reparos o ano todo”, admite a empresária.
Em que pese a necessidade da manutenção, moradores da região dizem que as ações do governo estadual são quase inexistentes. Este ano, por exemplo, a estrada não recebeu qualquer trabalho de manutenção realizado pelos maquinários do Estado. A situação só não é ainda pior porque os empresários se unem para realizar alguns reparos nas estradas.
“Além da estrada principal que está comprometida, as vias alternativas também não suportam a demanda, então temos que nos unir e fazer alguns reparos, caso contrário ninguém consegue passar pela região. É triste ver o poder público relegando o problema que é de sua competência”, lamenta Neila.
 Investimentos milionários não surtem efeito 

atoleiroponte-05-12-2013

Ano a ano a situação de caos e descaso se repete em cidades no interior de Mato Grosso. Investimentos milionários do governo em programas como o MT 100% Equipado – orçado em R$ 241 milhões – e o MT Integrado – com custo total de R$ 1,5 bilhão –, não conseguem solucionar problemas crônicos, como as dificuldades, ou até mesmo a impossibilidade de veículos trafegarem em algumas estradas na época das chuvas, por exemplo. Um dos casos retratados com frequência é a situação na saída do município de Colniza para Aripuanã (1.114 e 1.014 km de Cuiabá, respectivamente), onde, chegada a temporada de chuva, a população começa a sofrer com os atoleiros encontrados no local. Por se tratar da principal rota de entrada e saída da cidade, rapidamente os munícipes começam a ser penalizados com o desabastecimento de alimentos, medicamentos, combustível e produtos em geral.

atoleirocaminhao-05-12-2013

Quando “a coisa aperta”, são tomadas medidas emergenciais e que nem de perto se aproximam daquilo que é almejado pela população. “Toda ano é a mesma coisa, não sei se falta maquinário, se falta vontade política, mas o que a gente observa é que falta principalmente que as coisas sejam bem feitas para evitar que uma nova chuva traga todos os problemas de volta”, alega o vereador por Colniza Francisco Borges dos Santos, o ‘Chicão’ (PPS). Circuito MT

Responder

comment-avatar

*

*