Ságuas diz na Câmara que fez tudo que estava ao alcance para por fim à greve dos professores

Substituto de Homero Pereira, o deputado federal Ságuas Moraes (PT-MT) assumiu seu mandato na Câmara Federal na semana passada sem ter conseguido acabar com a greve dos professores da rede pública estadual, que já dura dois meses trazendo enormes prejuízos aos alunos, familiares e à educação como um todo. No entanto, ele afirma que o governo tentou de todas as formas um dialogo com o sindicato para acabar com a paralisação.

“Com certeza, fiz tudo que estava ao meu alcance (para acabar com a greve). Como eu já tinha sido notificado para voltar para a Câmara, e como tinha acabado a possibilidade de negociação, não tinha como eu ficar aguardando até o final da greve. Eu tentei prorrogar a ato de posse aqui, por conta de a gente ajudar a solucionar esta greve, e infelizmente não foi possível e aí tive que vir pra cá assumir o mandato”, afirmou Ságuas ao Olhar Direto.

Segundo ele, as negociações avançaram em vários os pontos, exceto em alguns nos quais o governo chegou a limite. Ele garante que não faltou empenho seu e do governador em negociar. E ressalta ter participado pessoalmente das discussões com os professores.

“Os professores diziam que acabariam com a greve se o governo conseguisse considerar as horas-atividades dos interinos, mesmo que parceladas. Nós fizemos. Não resolveu nada. Nós propusemos dez anos para dobrar o poder de compra. Não conseguimos oferecer em sete, mas algo próximo disso, para dialogar com a categoria. Aí deu em nada. Chegou num ponto em que o governo atingiu sua capacidade máxima de oferecer uma proposta, no limite do limite. Daí não tem mais para onde avançar”, revelou.

O ex-secretário da Seduc afirma que Mato Grosso paga o quarto melhor piso do Brasil, lembra que 90% dos municípios pagam um piso bem inferior ao do Estado e que os 10% restantes tem piso aproximado ao do Estado. No entanto, considera esta comparação injusta porque o município é o ente mais fragilizado da federação. Segundo Ságuas 11 estados do Brasil que não pagam o piso ainda e o valor pago em Mato Grosso ainda é superior ao piso.

“Acho que o estado de Mato Grosso, se fizermos um comparativo com o cenário nacional, está bem colocado. Obviamente isso não nos remete a uma zona de conforto. Não deixa a gente achando que está tudo bem. Temos que melhorar os vencimentos dos professores, a estrutura das escolas”, justifica.

Prestação de contas
O ex-secretário salienta que deixa o comando da Seduc com cerca de 90% das escolas novas ou reformadas de um total de 739 e garante que as outras estão em processo de reforma.

Existem, segundo ele, 120 escolas climatizadas e outras 300 finalizando o processo, o que vai fazer com que 60% das unidades de ensino tenham ar-condicionado. Ele promete que até final de 2014 haverá equipamentos para refrigerar as salas de aula em mais 20% das escolas e afirmou que o estado fará o possível para climatizar escolas do campo ou escolas indígenas onde ainda não tem a rede de alta tensão trifásica.

Conforme o deputado, existe 100% de internet banda larga nas escolas paga pela Seduc. Ele salienta ainda que os profissionais da educação tiveram um ganho real de salário, entre 2007 e 2013, de 72% acima da inflação. E de 2010 para 2013, o ganho durante o governo Silval Barbosa foi de 25% de ganho real.

Ságuas destaca que, entre 2010 e 2013, a Seduc recebeu por meio de convênio com o Ministério da Educação 1.503 ônibus para transporte escolar, o que representa 65% da frota renovada de um total de 2,5 mil veículos.

“O Estado vem fazendo a sua parte. Falta fazer muita coisa ainda, mas chegou ao limite. Então esta proposta de dobrar o poder de compra nos próximos dez anos é uma proposta bastante interessante que nenhum estado brasileiro fez e nenhum fará”, finalizou.

Responder

comment-avatar

*

*