Servidor do Detran-MT detido durante protesto depõe e é liberado em Cuiabá

Grevista foi detido em Cuiabá por suspeita de desacato aos policiais.
Após prestar depoimento, servidor foi liberado pela Polícia Civil.

Um servidor do Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) que havia sido detido na manhã desta quarta-feira (13) por suspeita de desacato aos policiais militares da tropa de choque foi liberado. Ele foi levado para o Centro Integrado de Segurança e Cidadania (Cisc) do bairro Planalto onde prestou depoimento ao delegado plantonista. De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o servidor deve responder a um termo circunstanciado pelo crime de desobediência.

O servidor foi detido pelos policiais que faziam a segurança do Detran-MT durante manifestação realizada pelos servidores que estão em greve. O tenente coronel Otomar Pereira, comandante do Comando Especializado da PM, disse que determinou a prisão depois que o servidor o chamou de covarde. A presidente do Sindicato dos Servidores do Detran (Sinetran), Veneranda Acosta, alegou que não houve desacato aos policiais e declarou que houve abuso por parte da PM. “Prenderam o servidor sem motivo. O policial alegou desacato, mas não houve desacato. Estávamos no setor de vistoria [do Detran] fazendo manifestação quando se aproximaram de nós, jogaram spray de pimenta e quase jogaram a viatura em cima de mim”, reclamou Veneranda.

Paralisação
Aproximadamente 100 servidores do Detran que continuam em greve participaram da manifestação na sede do órgão, localizado no Centro Político Administrativo, em Cuiabá, na manhã desta quarta-feira.

Os servidores estão em greve há três semanas e estão sendo mantidos somente 40% dos serviços nesse período. Nesta terça-feira (12), foi retomada a realização de exames práticos para a emissão da primeira carteira de habilitação. Isso porque os fiscais das bancas examinadoras de Cuiabá e Várzea Grande, região metropolitana da capital, decidiram encerrar a paralisação.

A paralisação foi declarada ilegal pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT) no dia 7 deste mês. Porém, o Sinetran recorreu da decisão. Os grevistas reivindicam a realização de concurso público e, consequentemente, a redução de cargos comissionados; reestrururação organizacional, além de repasses de recursos emergenciais para dar condições de trabalho necessárias para os servidores que atuam na sede do Detran e nas Ciretrans. G1.MT

Responder

comment-avatar

*

*