Sinop: piloto diz que foi desviar de cachorro quando houve acidente com avião

Um piloto haitiano, que comandava o avião monomotor que acabou saindo da pista e ficou de “cabeça para baixo”, em 9 de abril, no aeroporto de Sinop, explicou que freou para não atropelar um cachorro que avistou, ao pousar poucos minutos após uma chuva. É o que consta no histórico do voo, no relatório final do acidente, concluído pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). O avião estava sendo levado dos Estados Unidos para o Paraguai.

Só Notícias teve acesso ao documento onde está mencionado que, com a frenagem, a “aeronave perdeu a reta para a direita e saiu da pista, colidindo contra um pilone de balizamento. Após percorrer cerca de 91m em terreno arenoso, a bequilha quebrou e a aeronave capotou, parando em posição invertida”. O piloto saiu ileso e a aeronave teve danos nas pás de hélice, asas, fuselagem e estabilizador vertical.

No relatório é apontado também que não foram identificadas características da pista ou da aeronave que pudessem provocar a perda do controle direcional. É destacado ainda que as “condições de drenagem da pista não se mostraram favoráveis à formação de lâmina de água que pudessem provocar hidroplanagem”. Consta que “o piloto reportou que não houve falha do sistema de freios e que a aeronave apresentava uma condição normal de controlabilidade no solo”.

O documento mostra ainda que apesar do cansaço decorrente das longas etapas cumpridas no traslado da aeronave, o piloto afirmou que esse aspecto não teria influenciado seu julgamento durante o pouso.

Visando à mitigação dos riscos inerentes à entrada de animais na pista, o Cenipa destacou que providências foram adotadas pelo operador de aeródromo. Entras elas estão a vistoria diária junto à cerca patrimonial; ações imediatas, após identificação de rupturas ou fendas que permitam a entrada de animais de pequeno ou grande porte; manutenção periódica da cerca patrimonial; e alerta aos membros da Comissão de Segurança Aeroportuária e às entidades responsáveis pela segurança pública.

O Cenipa informou não ser o foco do relatório “quantificar o grau de contribuição dos fatores contribuintes, incluindo as variáveis que condicionaram o desempenho humano sejam elas individuais, psicossosiais ou organizacionais que interagiram propiciando o cenário favorável ao acidente”.

O órgão frisou que o objetivo  “é recomendar o estudo e o estabelecimento de providências de caráter preventivo, cuja a decisão quanto a pertinência em acatá-las será de responsabilidade exclusiva do Presidente, Diretor, Chefe ou o que corresponder ao nível mais alto na hierarquia da organização para a qual estão sendo dirigidas”.

Não foi mencionado o valor do prejuízo na aeronave. Só Noticias

Responder

comment-avatar

*

*