Xingú – Incapacidade de gestão ainda traz transtornos nas estradas em plena colheita de soja

Atoleiro em estrada-São José do Xingu

Estradas ruins, ano após ano é a mesma coisa. O maior gargalo da região é sem duvida a precariedade das estradas, essa questão ainda não foi superada, quem trafega no Norte Araguaia em época de chuva sabe que não são tarefa fácil, principalmente os carreteiros que nessa época estão retirando a safra de soja. Em algumas estradas nossa reportagem se deparou com veículos atolados, e tudo por ineficiência de quem deveria estar fazendo bem feito a recuperação das estradas com o adequado manuseio do solo. Recentemente nossa reportagem denunciou a falta de uso do Rolo compactador pelas empresas que executam a recuperação das estradas e criticou quem planeja os serviços de manutenção das pontes, bueiros e estradas.

Ontem (17/02) percorremos um trecho de aproximadamente 45 quilômetros na MT -430 do entroncamento da Epifânia ao Rio Fontoura e pudemos constatar que naquele trecho a estrada esta em excelente estado de conservação, mesmo sendo um trecho ainda em terra o solo foi removido e compactado, praticamente pronto para receber as camadas asfaltica; e, enquanto isso não acontece à chuva pode cair que os danos são muito pouco e a estrada agüenta a água e não estraga, podendo agüentar até três anos seguido de período chuvoso, o mesmo não vimos no trecho da MT-437 saindo de Confresa, logo após o termino do asfalto na Gleba “Buritis”, Ali a empresa não compactou e a estrada esta bastante ruim…

 

Começo de ano o Norte Araguaia é mais uma vez castigado pelas abençoadas chuvas que destroem as estradas e inundam, transbordam e derrubam as pontes e bueiros, muitos municípios ficaram isolados em janeiro devido a esse fenômeno natural, além das pontes os já famosos atoleiros são implacáveis, a região do Xingu. Essas imagens que você vê ainda é motivo de fortes criticas ao governo que rasga dinheiro e os problemas continuam…

O estado (em todas as esferas) gasta uma fortuna todos os anos para recuperar estradas e pontes. Pontes mal planejadas e estradas de terra sem compactação não resistem ao intenso trânsito de carretas que escoam a produção da região, esse aumento do fluxo que gera dividendos para a economia do estado também revela o quão distante está o estado, em um sentido mais claro, ausente da solução e presente na assistência ineficaz e com gastos desnecessários

A região da bacia do Xingu, riquíssima em potencial agrícola e pecuário vive isolada e pagando um preço alto pela falta de estruura em nossas vias, esse problema só será totalmente superado com políticas de integração, algo difícil de ver em um horizonte próximo.

Nessas imagens você vê caminhões parados e atolados, prejuízos na certa. Esse trecho está a menos de quatro quilômetros de um armazém da Cargil e do Auto Posto Sucupira. Com a palavra os engenheiros especializados em estradas, será que Mato Grosso tem?

olhar21

Responder

comment-avatar

*

*